Skip to main content

3º Milénio: Observatório Astronómico de Lisboa ensina a fazer contas ao tempo

As dúvidas sobre a entrada do novo milénio, que erroneamente tem sido anunciada para o ano 2000, estão a fazer chegar ao Observatório Astronómico da Ajuda uma onda de telefonemas de curiosos.

«Lisboa, 07 Dez (Lusa) – As dúvidas sobre a entrada do novo milénio, que erroneamente tem sido anunciada para o ano 2000, estão a fazer chegar ao Observatório Astronómico da Ajuda (Lisboa) uma onda de telefonemas de curiosos. Alfredina Campo, astrónoma do Observatório, explicou à Agência Lusa que todos os dias recebem telefonemas de pessoas com a mesma dúvida: afinal quando é que começa o terceiro milénio? Neste campo, os investigadores não têm dúvidas de que a passagem para o século XXI e para o novo milénio só se realiza de 31 de Dezembro de 2000 para 1 de Janeiro de 2001. A confusão deve-se ao facto de na nossa era os anos serem referidos a uma escala que começou com o ano 1 depois de Cristo, pelo que não houve ano zero. Por esta razão, o primeiro século, ou intervalo de cem anos, da era cristã iniciou-se no dia 1 de Janeiro do ano 1 e terminou a 31 de Dezembro do ano 100, assim como o século XX teve início em 1 de Janeiro de 1901 e termina a 31 de Dezembro de 2000. Para que não fique ninguém por esclarecer, o Observatório Astronómico da Ajuda já tem uma folha explicativa que envia a todos os que solicitam informações. “Algumas pessoas pedem até que a folha lhes seja enviada com o selo branco do Observatório”, comentou a astrónoma. Em França, o fenómeno assume proporções ainda maiores, com o Observatório de Paris a ser alvo de uma avalancha diária de telefonemas de pessoas com a mesma dúvida. Esta situação levou os cientistas do Observatório parisiense a apelar à ajuda da imprensa francesa para explicar que o 3º milénio começa em 2001 e não a 1 de Janeiro de 2000. A era de Cristo ou era vulgar, em que vivemos, foi introduzida pelo monge Dinis, o Exíguo, que decidiu recomeçar a contagem dos dias a partir da data do nascimento de Cristo, convencionada desde 440 como 25 de Dezembro, segundo o calendário romano. Deste modo, o ano 754 do calendário juliano (antigo calendário romano reformulado por Júlio César) passou a ser retrospectivamente o ano 1 do novo calendário, designado ano 1 depois de Cristo. Por causa de algumas discrepâncias temporais, o calendário juliano foi reformulado mais tarde, em 1582, por ordem do Papa Gregório XIII, o que levou a que fossem “apagados” 10 dias, com a passagem, nesse ano, do dia 4 para o dia 15 de Outubro. A adopção do calendário gregoriano (que ainda hoje vigora) foi lenta e polémica, em especial nos países protestantes que figuram entre os últimos na Europa a ceder à norma de Roma. Na Inglaterra, a decisão provocou motins e revoltas devido à generalização da ideia entre as populações de que lhes tinham “roubado” 3 meses (de 1 de Janeiro a 25 de Março).»