NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
Apple atinge vendas record de Mac e de iPhone

Apple atinge vendas record de Mac e de iPhone

terça-feira, 20 outubro, 2009 /
Apple atinge vendas record de Mac e de iPhone A Apple® anunciou hoje os resultados referentes ao seu quarto trimestre fiscal de 2009, findo a 26 de Setembro de 2009. A empresa anunciou receitas de 9,87 mil milhões de dólares e um lucro líquido de 1,67 mil milhões de dólares, ou 1,82 dólares por acção diluída. Estes resultados comparam-se às receitas de 7,9 mil milhões e lucro trimestral de 1,14 mil milhões de dólares, ou 1,26 dólares por acção diluída, do mesmo trimestre do ano transacto. A margem bruta foi de 36,6 por cento, uma subida face aos 34,7 por cento do mesmo trimestre do ano passado. As vendas internacionais foram responsáveis por 46 por cento das receitas trimestrais. De acordo com o regime de contabilidade de subscrição exigido pela GAAP, a companhia reconhece as receitas e o custo dos bens vendidos para iPhoneT e Apple TV® no decorrer das suas vidas económicas previstas. Ao ajustar as vendas e os custos de produto GAAP para eliminar o impacto da contabilidade de subscrição, as medidas não-GAAP correspondentes* para o trimestre são de 12,25 mil milhões de dólares em "Vendas Ajustadas" e 2,85 mil milhões de dólares de "Lucro líquido ajustado." A Apple vendeu 3,05 milhões de computadores Macintosh® durante o trimestre, representando um crescimento unitário de 17% em relação ao trimestre do ano anterior. A companhia vendeu 10,2 milhões de iPods no decorrer deste trimestre, representado uma quebra de oito por cento em comparação com o ano passado. Foram vendidos 7,4 milhões de iPhones no trimestre, o que perfaz um crescimento de sete por cento face ao ano transacto. "Estamos encantados por termos vendido mais Macs e iPhones do que em qualquer outro trimestre", disse Steve Jobs, CEO da Apple. "Temos uma linha muito forte para a quadra festiva e alguns magníficos novos produtos na calha para 2010. "Estamos maravilhados com os nossos resultados do trimestre findo em Setembro e com os resultados fiscais de 2009", disse Peter Oppenheimer, CFO da Apple. "No ano completo, crescemos 12 por cento em termos de receitas e 18 por cento em termos de lucro líquido em tempos muito desafiantes. Olhando para a frente, para o primeiro trimestre de 2010, esperamos receitas entre os 11,3 mil milhões e os 11,6 mil milhões de dólares e esperamos ganhos por acção diluída entre os 1,70 e os 1,78 dólares." A Apple irá fornecer o streaming ao vivo da sua conference call dos resultados financeiros do quarto trimestre de 2009 através de QuickTime®, a tecnologia da Apple baseada em standards para streaming áudio e vídeo on demand. O webcast em directo terá início às 2:00 p.m. PDT a 9 de Outubro de 2009 em www.apple.com/quicktime/qtv/earningsq409/ e também estará disponível para visualização posterior durante aproximadamente duas semanas. *Medidas financeiras não-GAAP Durante o ano fiscal de 2007, a empresa começou a vender o iPhone e Apple TV. Uma vez que a empresa pode, de futuro e gratuitamente, fornecer funcionalidades não especificadas e produtos de software adicionais para os clientes iPhone e Apple TV, de acordo com a GAAP a empresa reconhece as receitas e o custo dos bens vendidos para estes produtos de forma linear nas respectivas vidas económicas, com qualquer perda reconhecida no momento da venda. Actualmente, as vidas económicas destes produtos são estimadas em 24 meses. Este tratamento de contabilidade, referido como contabilidade de subscrição, resulta no diferimento de quase toda a receita e custo dos bens durante o trimestre em que os produtos são vendidos ao cliente. Outros custos relacionados com estes produtos, incluindo custos de concepção, vendas, marketing e garantia, são reconhecidos como custo no momento dessa ocorrência. Além disso, os custos de desenvolvimento de funcionalidades não especificadas e produtos de software adicionais futuros que poderão eventualmente ser fornecidos aos clientes, são também reconhecidos como custo aquando da sua ocorrência. Em contrapartida, a empresa, de um modo geral, reconhece a receita e o custo dos bens vendidos para os seus outros produtos, como Macs e iPods, no momento da venda, uma vez que a empresa não fornece funcionalidades não especificadas ou produtos de software adicionais futuros gratuitamente a esses clientes. Em Julho de 2008, a empresa começou a vender o iPhone 3G, o iPhone de segunda geração, e expandiu significativamente a distribuição, estabelecendo relações com operadoras em mais de 70 países. As vendas unitárias do iPhone 3G foram significativamente superiores às vendas do iPhone de primeira geração. Durante o primeiro trimestre de disponibilização do iPhone 3G, terminado a 27 de Setembro de 2008, foram vendidos 6,9 milhões de unidades, superando os 6,1 milhões de unidades de iPhone de primeira geração vendidas no conjunto dos cinco trimestres anteriores. Em Junho de 2009, a Empresa começou a vender o iPhone 3GS, o iPhone de terceira geração. As vendas unitárias de iPhones continuaram a ser significativas durante o trimestre que terminou a 27 de Junho de 2009, com 5,2 milhões de iPhones vendidos. Como tal, foi substancial o valor de receitas e o custo do produto relativamente a essas vendas de iPhone que a empresa deferiu para reconhecimento nos períodos futuros ao abrigo da contabilidade de subscrição. Embora os resultados GAAP forneçam uma percepção significativa das operações e posição financeira da empresa, a gestão continua a suplementar a sua análise do negócio utilizando medidas financeiras que observam as vendas totais, custos de produto relacionados e o rendimento resultante para iPhones e Apple TVs vendidos aos clientes durante esse período. A apresentação no final deste comunicado de imprensa inclui as seguintes medidas não-GAAP: "Vendas ajustadas", "Custo de vendas ajustado", "Margem bruta ajustada", "Margem de exploração ajustada", "Lucro líquido ajustado" e "Ganhos por acção diluída ajustados". Estas medidas financeiras não são consistentes com a GAAP porque não reflectem o diferimento da receita e dos custos de produto para reconhecimento em períodos posteriores. As medidas não-GAAP acima referidas são geradas ajustando as medidas GAAP relacionadas exclusivamente para reverter o efeito da contabilidade de subscrição. A empresa utiliza estas medidas financeiras, juntamente com outras medidas abordadas abaixo, para fornecer percepções adicionais relativamente às actuais tendências operativas e empresariais não imediatamente evidentes nos resultados GAAP. A gestão utiliza as Vendas ajustadas para avaliar a taxa de crescimento da empresa, o conjunto das receitas e o desempenho relativamente à concorrência. Dado o impacto das vendas unitárias do iPhone durante o trimestre terminado a 27 de Junho de 2009, as Vendas ajustadas fornecem uma avaliação significativa do crescimento da empresa reflectindo quantidades normalmente devidas à Apple no momento da venda relacionadas com produtos vendidos nesse período. Além disso, a eliminação dos efeitos da receita diferida (vendas actuais diferidas para períodos futuros e vendas anteriores a serem reconhecidas actualmente) fornece uma maior transparência relativamente às tendências de venda da empresa subjacentes. A gestão utiliza as medidas não-GAAP de "Custo de vendas ajustado", "Margem bruta ajustada" e "Margem de exploração ajustada" para medir o desempenho operacional da empresa com base nas vendas de iPhone e Apple TV no período actual e para facilitar decisões operacionais contínuas. Além disso, uma vez que a empresa reconhece as despesas de concepção, vendas e marketing quando ocorrem, incluindo despesas relacionadas com o iPhone e Apple TV, a gestão utiliza as Vendas ajustadas para avaliar o retorno nesses custos, gerir o crescimento das despesas operacionais de ano para ano, e orçamentar despesas futuras. Além disso, visto serem consideradas indicadores significativos do actual desempenho empresarial, as medidas não-GAAP "Vendas ajustadas" e "Margem de exploração ajustada" são valores que ajudam a determinar a compensação de gestão com início no ano fiscal de 2009. Finalmente, a gestão utiliza as medidas não-GAAP de "Lucro líquido ajustado" e "Ganhos por acção diluída ajustados" para medir o desempenho operacional de empresa com base nas vendas de iPhone e Apple TV no período actual, para facilitar decisões operacionais contínuas e comparar o desempenho em relação à concorrência. A gestão acredita que estas medidas financeiras não-GAAP, quando adoptadas em conjunto com as medidas GAAP consolidadas correspondentes e a informação segmentada relacionada, fornecem uma percepção acrescida dos factores e tendências subjacentes que afectam o desempenho da empresa e o seu potencial para gerar dinheiro. A gestão acredita que estas medidas não-GAAP aumentam a transparência dos actuais resultados da empresa e permitem aos investidores compreender melhor as tendências de desempenho actual e futuro. Precauções na utilização de medidas não-GAAP Como referido anteriormente, estas medidas financeiras não-GAAP não são consistentes com a GAAP porque não reflectem o diferimento da receita e dos custos de produto para reconhecimento em períodos posteriores. Estas medidas financeiras não-GAAP não são ajustadas para os custos associados com a intenção da empresa de fornecer novas funcionalidades e software não especificados aos compradores de produtos iPhone e Apple TV. Estes custos são reconhecidos no momento em que ocorrem sob o modelo de contabilidade de subscrição da GAAP e não são ajustados nestas medidas financeiras não-GAAP. Como tal, estas medidas financeiras não-GAAP não se destinam a reflectir num determinado período todos os custos das vendas efectuadas nesse período. Em vez disso, as medidas financeiras não-GAAP apresentadas abaixo destinam-se à finalidade limitada de apresentar medidas de desempenho que incluem as vendas totais, custos de produto relacionados e o rendimento resultante para iPhones e Apple TVs no período em que esses produtos são vendidos aos clientes. A gestão acredita que os investidores irão beneficiar de maior transparência ao fazer referência a estas medidas financeiras não-GAAP, ao avaliar os resultados operacionais da empresa, assim como ao prever e analisar períodos futuros. Contudo, a gestão reconhece que: - estas medidas financeiras não-GAAP são limitadas na sua utilidade e devem ser consideradas apenas como suplemento às medidas financeiras GAAP da empresa; - estas medidas financeiras não-GAAP não devem ser consideradas de forma isolada, ou como substitutas, das medidas financeiras GAAP da empresa; - estas medidas financeiras não-GAAP não devem ser consideradas como sendo superiores às medidas financeiras GAAP da empresa; - estas medidas financeiras não-GAAP não foram preparadas em conformidade com a GAAP e os investidores não devem considerar que as medidas financeiras não-GAAP apresentadas neste lançamento de receitas foram preparadas sob um conjunto abrangente de regras ou princípios; - estas medidas financeiras não-GAAP não são apresentadas com medidas financeiras não-GAAP comparáveis para períodos anteriores, embora a gestão tencione continuar a acompanhar e apresentar estas medidas financeiras não-GAAP para períodos futuros; e - até a gestão apresentar medidas financeiras não-GAAP comparáveis para períodos adicionais, estas medidas financeiras não-GAAP não fornecem qualquer informação relativamente a tendências no desempenho da empresa e, como tal, os investidores não devem considerar que a apresentação destas medidas financeiras não-GAAP reflecte quaisquer tendências positivas ou negativas no desempenho da empresa. Além disso, estas medidas financeiras não-GAAP podem ser exclusivas da empresa, podendo ser diferentes das medidas financeiras não-GAAP utilizadas por outras empresas. Como tal, esta apresentação de medidas financeiras não-GAAP poderá não melhorar a possibilidade de comparação dos resultados da empresa com os resultados de outras empresas. No final deste comunicado de imprensa é apresentada uma equiparação de cada medida financeira não-GAAP com a medida (ou medidas) financeira GAAP mais passível de comparação. Este comunicado de imprensa contém, entre outros, enunciados prospectivos relativamente a receitas e ganhos por acção esperados pela empresa. Estes enunciados envolvem riscos e incertezas, e os resultados reais podem variar. Os riscos e as incertezas incluem, sem limitação, o efeito de factores competitivos e económicos, e a reacção da empresa a esses factores, nas decisões de compra de consumidores e empresas relativamente aos produtos da empresa; potencial litígio relativamente a assuntos investigados pela comissão especial do conselho de administração e da reformulação dos relatórios financeiros consolidados da empresa; pressões competitivas continuadas no mercado; a capacidade da empresa fornecer para o mercado e estimular os pedidos de clientes de novos programas, produtos e inovações tecnológicas de forma atempada; os efeitos que as transições de produtos, alterações ao preço do produto ou da sua conjunção, e/ou aumentos nos preços dos componentes poderiam ter na margem bruta da empresa; o risco de inventário associado à necessidade da empresa de encomendar ou comprometer-se a encomendar componentes de produto antes de receber as encomendas dos clientes; a disponibilidade continuada em termos aceitáveis de determinados componentes e serviços essenciais para o negócio da empresa, actualmente obtidos de fontes únicas ou limitadas; o efeito que a dependência da empresa nos serviços de fabrico e logística fornecidos por terceiros pode ter na qualidade, quantidade ou custo dos produtos produzidos ou serviços criados; a confiança da empresa na disponibilidade de conteúdo e aplicações digitais de terceiros; o potencial impacto de uma descoberta que a empresa infringiu os direitos de propriedade intelectual de outros; o efeito que problemas na qualidade do produto e serviço poderiam ter nas vendas e lucros operacionais da empresa; a confiança da empresa em fornecedores de serviços únicos para o iPhone em determinados países; guerra, terrorismo, questões de saúde pública, e outras circunstâncias que poderiam afectar o fornecimento, a entrega ou o pedido de produtos; o serviço continuado e disponibilidade de executivos e funcionários principais e resultados de procedimentos legais desfavoráveis; e a dependência da empresa no desempenho dos distribuidores e de outros revendedores dos produtos da empresa. Nos relatórios públicos da empresa é, ocasionalmente, adicionada mais informação sobre potenciais factores que podem afectar os resultados financeiros da empresa, preenchidos com o SEC, incluindo o formulário 10-K da empresa para o ano fiscal terminado a 27 de Setembro de 2008, o seu formulário 10-Q para o trimestre terminado a 27 de Dezembro de 2008, e o seu formulário 10-Q para o trimestre terminado a 28 de Março de 2009, e o seu formulário 10-Q para o trimestre terminado a 27 de Junho de 2009, a ser preenchido com o SEC. A empresa não assume qualquer obrigação de actualizar quaisquer informações ou enunciados prospectivos, cujo relato reporta às respectivas datas. A Apple deu início à revolução nos computadores pessoais nos anos 70, com o Apple II, e reinventou o computador pessoal nos anos 80, com o Macintosh. Actualmente, a Apple continua a liderar o mercado em termos de inovação, graças aos seus computadores premiados, sistema operativo OS X e aplicações iLife e profissionais. A Apple lidera também a revolução multimédia digital, com os leitores de música e vídeo portáteis iPod e a iTunes Store online, tendo entrado no mercado dos telemóveis com o revolucionário iPhone.
2,868