Blablart – rede online com 10 mil museus e galerias de todo o mundo

Um site dedicado à arte contemporânea, Blablart.com, acaba de ser criado para dar acesso a 10 mil museus e galerias de todo o mundo e promover a informação e comunicação na comunidade e o público interessado.

Um site dedicado à arte contemporânea, Blablart.com, acaba de ser criado para dar acesso a 10 mil museus e galerias de todo o mundo e promover a informação e comunicação na comunidade e o público interessado.

Os fundadores do projecto são três: a jornalista portuguesa Maria Manuel Stocker, a curadora madrilena Helena Tatay e o “web master” catalão Alberto Lucas, que apostaram em construir “um site útil e actual”, com informação sobre o sector proveniente de uma centena de países.

Blablart
Em declarações à Agência Lusa sobre o Blabart (www.blablart.com), Maria Manuel Stoker justificou que esta iniciativa resultou da constatação de que “não havia um único sítio na internet onde fosse possível visitar o mundo da arte contemporânea na sua globalidade“.

Há muitos sítios de arte contemporânea mas estão orientados por zonas geográficas, ou com um grande foco nos dois lados do Atlântico – Londres, Nova Yorque, Paris – ou então concentrados apenas no mercado americano“, observou.

Maria Manuel Stocker comentou que “todo o desenvolvimento do mercado da arte contemporânea na Índia, China, Coreia, Japão, Austrália, Brasil e Médio Oriente não tem grande repercusão nos sítios existentes, que se concentram em divulgar apenas as grandes galerias internacionais com representação em Deli ou em Pequim“.

Verificada esta “falha de informação organizada” no sector da arte contemporânea, o grupo procurou soluções que conjugassem simplicidade e, ao mesmo tempo, “um máximo de interactividade entre os utentes e o uso das tecnologias de imagem sofisticadas, dado que a imagem é fundamental na arte“.

O grupo decidiu criar o Blabart.com – de acesso gratuito para quem nele se inscreva – que permitisse “a qualquer pessoa visitar as galerias e museus do mundo sem sair do sofá, e com poucos clickes“.

É dirigido sobretudo a profissionais da arte, galeristas, curadores, artistas, que poderão comunicar entre si dentro da plataforma e dar conhecimento à comunidade global das suas exposições, eventos e obras.

O Blablart é composto por um directório (intitulado “The Art World”) com museus e galerias de cerca de uma centena de países, que demorou dois anos a criar.

Contém ainda uma rede de comunicação (“Who´s On”) entre todas as galerias e museus que fazem parte do directório, mas também aberta a artistas, coleccionadores ou qualquer pessoa interessada em arte.

O “Talk Art” está aberto a quem quiser debater a arte contemporânea online, em qualquer línguia, tal com o sítio, que tem a possibilidade de ler lido em tradução Google em dezenas de idiomas.

A primeira página do Blabart tem também uma secção de notícias actualizadas regularmente que cobre galerias, museus, colecções e também artes performatiivas.

Maria Manuel Stocker considera que o sector da arte contemporânea pode beneficiar da forma como o sítio está organizado, “dado o crescimento global do mercado e o interesse também óbvio do público pela cultura“.

O Blabart permite a alguém no sul da Índia visitar os museus do Canadá, as colecções brasileiras ou as galerias de Berlim, sem ter que as procurar uma a uma em sítios díspares“, exemplificou.

Segundo a jornalista portuguesa, o projecto começou sem financiamento, mas no ano passado a empresa Energies Nouvelles deu um apoio à execução e o sítio foi concretizado.

Actualmente, o grupo procura patrocínios e publicidade de empresas e serviços desde as energias limpas às seguradoras ou telecomunicações e empresas ligadas ao turismo, “com mais vocação para se anunciarem nas páginas das cidades“.

AG.
Lusa/