China, árvore das patacas das telecomunicações

Ericsson factura mais quatrocentos milhões.

Um analista de política internacional terá dito que o século XXI será asiático e chinês, em particular. A Ericsson parece estar particularmente ciente desta máxima. Esta semana foram anunciados contratos da empresa sueca com vários operadores chineses para fornecer equipamento e serviços para redes GSM num total de 400 milhões de contos.

A Ericsson China já tem mais de quarto milhares de empregados, 24 escritórios e 10 joint ventures e é um dos principais peões no jogo das telecomunicações chinesas.

Cada vez mais o mercado sínico é a «árvore das patacas» para as multinacionais do ramo das telecomunicações. No passado mês de Fevereiro a China Unicom, por ex., anunciou ter planeado um investimento na ordem dos 1.2 biliões de dólares numa rede telecomunicações baseada na tecnologia CDMA da empresa Qualcomm.