China fecha o cerco aos anónimos online

Sites e blogs de empresas chinesas e de grupos internacionais terão agora que assegurar que todos os comentários feitos nos seus serviços sejam assinados com os nomes dos verdadeiros autores.

A exigência faz parte de um esforço do governo chinês para conter o excesso de material negativo que circula na web que critica as autoridades do país. Falta de liberdade, repressão religiosa, activismo pró-Tibet e denúncias de alimentos contaminados são os temas que mais incomodam o governo local. Com mais de 360 milhões de internautas, a China forma o maior contingente de cidadãos online no mundo, mas todos estes utilizadores enfrentam uma série restrições para navegar em sites estrangeiros e, especialmente, ler notícias escritas pela imprensa internacional. A nova regra pode levar os sites que actuam na China com o recurso de comentários a receber multas ou até mesmo sair do ar caso não cumpram as novas medidas. Garantir que a identidade dos cibernautas chineses seja, de facto, real será o principal desafio das autoridades locais. Afinal, o mais provável é que cidadãos que desejem desfiar comentários críticos aos interesses da China preencham os campos de identificação de sites e blogs com informações genéricas ou falsas. As novas medidas entram em vigor já neste mês de Setembro.