Dirigíveis podem substituir satélites

Stratellite revoluciona redes telefónicas.

A Sanswire, uma empresa de comunicações norte-americana, revelou o protótipo quase concluído de um dirigível de estrutura rígida, não tripulado, projectado para voar na estratosfera, 21 quilómetros acima da superfície terrestre, de onde o equipamento pode enviar sinais de banda larga e telefonia móvel para uma área do tamanho do Estado do Texas.

«O nosso objectivo é substituir os satélites a um custo mais baixo», disse Leigh Coleman, presidente da GlobeTel Communications, que controla a Sanswire, afirmando acreditar que isso possa vir a mudar a maneira como as pessoas se comunicam.

Quando estiver concluído, o dirigível de 75 metros de comprimento, pilotado por robô e accionado por energia solar, assemelhar-se-á a uma baleia de cauda dupla. Flutuando acima da faixa usada pelos aviões comerciais, mas abaixo das órbitas dos satélites e a um terço do custo destes (entre 25 milhões e 30 milhões de dólares), o Stratellite também tornaria obsoletas as torres de telefonia móvel instaladas em terra, segundo apontam os seus fabricantes.

Contudo, as operações a essa altitude são pouco frequentes e não muito testadas, e Tim Huff, presidente-executivo da GlobeTel, reconheceu que a empresa ainda não tem autorização da Federal Aviation Administration dos EUA para testar um dirigível não tripulado.

«Pode ser um processo de 90 a 120 dias para que obtenhamos aprovação da NASA e da FAA» – disse Huff – «mas, ainda assim, estamos anos à frente de qualquer outro programa semelhante».

A empresa espera começar a produzir e lançar Stratellites já no ano que vem, com centenas – se não milhares – dos aparelhos a cobrirem toda a superfície do planeta e mantendo-se em vo por períodos de meses.

Os investidores presentes na apresentação muito aguardada do protótipo, realizada no deserto do sul da Califórnia, disseram estar entusiasmados com o desempenho da GlobeTel e que viam a empresa como promissora para os utilizadores de telefones sem fios. «Sempre que uma ligação cai porque alguém está a guiar numa região montanhosa, eu digo que, assim que a Sanswire descolar, o problema acabou», comenta Muriel Sigala, investidora da Califórnia.