• Início
  • Tecnologia
  • Dispositivo wireless eficaz na estimulação cerebral profunda em pacientes de Parkinson

Dispositivo wireless eficaz na estimulação cerebral profunda em pacientes de Parkinson

Tecnologia, que já tem submetida patente mundial,dá agora origem a uma spin-off

 

Um grupo de investigadores portugueses criaram um dispositivo wireless vestível que avalia a rigidez do pulso para apoio a procedimentos neurocirúrgicos de estimulação cerebral profunda, já usado em pacientes de Parkinson e que poderá vir a ser útil também em Epilepsia ou outras doenças do foro neurológico.

O aumento da rigidez muscular é um dos principais sintomas da doença de Parkinson, que é frequentemente tratada com o implante de elétrodos de estimulação cerebral profunda quando as drogas não têm mais efeito. Durante a cirurgia, os médicos avaliam a rigidez do pulso, de forma a decidir qual a melhor posição para o implante.

Esta cirurgia, hoje em dia, é feita por dois cirurgiões que manipulam manualmente o pulso, o que significa que a avaliação subjetiva que fazem é influenciada pela sua experiência e perceção. Existem ainda alguns sistemas que ajudam a fornecer uma avaliação objetiva e quantitativa, mas que são, no entanto, complicados de configurar e impraticáveis para uso durante procedimentos cirúrgicos. A tecnologia desenvolvida pelos investigadores responde, assim, a estas necessidades, sendo fácil de configurar e de utilizar pelos médicos durante uma cirurgia.

 

Esta tecnologia do INESC TEC, com pedido internacional de patente, é resultado dai nvestigação do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), com o apoio do Hospital Universitário de São João, na área da Engenharia Biomédica e dá agora origem a uma nova spin-off na área da saúde.

Vai chamar-se InSignals Neurotech a mais recente spin-off do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC). Tem também participação na futura InSignalsNeurotech o grupo Frontier IP do Reino Unido, especialista em comercialização de propriedade intelectual universitária, que tem agora a sua terceira spin-off em Portugal.

Aplicações potenciais desta tecnologia desenvolvida pelos investigadores do INESC TEC, e que vão passar a ser comercializadas pela InSignals Neurotech, incluem ajudar instituições farmacêuticas a monitorizar ou a avaliar o impacto de medicamentos novos ou aprovados na redução da rigidez durante os ensaios clínicos.

 

A mais recente spin-off do INESC TEC já recebeu o interesse por parte de potenciais parceiros industriais e está a tentar celebrar alguns acordos de colaboração para aumentar o número de ensaios clínicos para testar as suas tecnologias – atualmente já realizou dois – em Portugal, Reino Unido e Alemanha.

Para João Paulo Cunha, coordenador do Centro de Investigação em Engenharia Biomédica (C-BER) do INESC TEC e docente na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), “a criação da empresa que vai chamar-se InSignals Neurotech, juntamente com os parceiros da Frontier IP, vai funcionar como um forte veículo de inovação para consolidar as tecnologias relacionadas com o cérebro que os investigadores do INESC TEC têm vindo a desenvolver desde há vários anos com a Universidade do Porto – através da FEUP e do Hospital Universitário de S.João – e, assim, dar um passo para o mercado internacional”.