Falar lá fora…cá dentro

Para quem mora ou passa férias em zonas de fronteira, saiba como fazer chamadas sem correr o risco de serem internacionais.

Contactados dois dos operadores móveis e a Anacom, todos consideraram este problema uma questão tecnologicamente incontornável. Isto é, não há nada a fazer, a não ser informar os clientes dos perigos que podem correr caso tenham o telemóvel acessível junto da fronteira e recebam chamadas, estando com rede espanhola.

Fonte da Optimus garantiu ao Telemoveis.com que ainda não houve nenhuma reclamação desta natureza. “Sabemos do que se passa, mas não houve ninguém a queixar-se. A nossa preocupação, nesses casos, é advertir os nossos revendedores nas zonas de fronteira para alertarem os clientes dessa situação. Recomendamos sempre uma busca manual de rede, ficando assim livres do telemóvel receber sinal de outra rede”, explicou um responsável da operadora da Sonae.

Quanto à TMN, a única coisa que podem fazer nestes casos é aconselhar os clientes a ter cuidado. Também não registaram nenhuma queixa até hoje, embora nos primórdios do roaming (tempos idos de 1994/95) algumas pessoas tivessem dado conta de situações semelhantes. A operadora móvel do Grupo Portugal Telecom vai mais longe que a Optimus e aconselha mesmo as pessoas pedir a desactivação do serviço de roaming nesta situações. “Os nossos serviço de apoio ao cliente (call center) estão mandatos para sugerir o barramento de chamadas recebidas em roaming”, explicou fonte da TMN.

Não foi possível saber a posição da Vodafone, mas a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) também não teve qualquer reclamação deste género. Segundo o organismo regulador nacional, existem reuniões técnicas periódicas com congéneres espanhóis onde são debatidos este e outros assuntos, mas não há nada de conclusivo a retirar, já que se trata de uma questão técnica apenas contornada pelo próprio cuidado dos clientes. “Para que não surgissem situações dessas ter-se-ia que diminuir a potência das antenas nessas zonas, retirando cobertura às populações que aí residem e isso seria uma forma de discriminar clientes”, disse fonte da Anacom.

Ou seja, perante a possibilidade de não se ser capaz de contornar essa questão, o melhor é mesmo fazer busca manual de rede. A distracção pode significar uma conta com roaming discriminado, sem que o cliente faça a mínima ideia de onde esteve, se nunca saiu de Portugal. O caso torna-se mais grave nas chamadas recebidas, uma vez que para fazer chamadas em roaming é preciso marcar previamente o indicativo do país. Isto é, mesmo que por mera distração, não se repare que se está com rede espanhola, ao tentar marcar um número nacional, a ligação nunca será efectuada. O mesmo já não acontece na recepção que, nestes casos, é uma chamada paga entre o emissor e o receptor, de acordo com as regras estabelecidas em sistema de roaming.

Para não correr os risco de falar lá fora cá dentro, jogue pelo seguro: desactive o serviço de roaming ou procure rede do seu operador manualmente. Assim não corre o risco de fazer chamadas internacionais em Portugal.