FCCN lança concurso público internacional para aquisição de fibra óptica

O objectivo é criar de raiz uma verdadeira auto-estrada digital, que proporcionará rapidez e qualidade ímpares no acesso à internet.

Esta iniciativa é claramente pioneira na história da rede académica nacional, proporcionando como lembra Diogo Vasconcelos, gestor da UMIC “uma aposta inequivoca na Inovação e no Conhecimento por parte deste Governo”. Na realidade, vai “criar-se de raiz uma verdadeira auto-estrada digital, que proporcionará rapidez e qualidade impares no acesso à internet, hoje fundamentais para o ensino e para a investigação. Em termos de velocidade, a nova rede académica, assente em fibra óptica, vai colocar-nos a par das nações mais desenvolvidas do mundo”. Para Pedro Veiga, por parte da FCCN, este é um “passo à frente na estratégia de dotar as universidade de um acesso tecnologicamente moderno”. A disponibilização de uma infraestrutura deste tipo vai permitir alavancar outros projectos governamentais já em curso, tais como a iniciativa e-U (Campus Virtuais) e a b-on (Biblioteca do Conhecimento Online) lançada oficialmente na semana passada pelo Primeiro-Ministro. As instituições passarão a ter acessos mais rápidos e a possibilidade de aumentar drasticamente o seu tráfego sem ver a rede congestionada. Este é mais um grande passo no sentido de dotar as instituições de Investigação e Desenvolvimento e de Ensino Superior dos meios mais avançados para desenvolver a sua actividade, que se reveste da maior importância para o desenvolvimento do País. Os resultados esperados para este concurso irão permitir dar um grande passo para a nova geração tecnológica da rede académica portuguesa, vindo, designadamente, a funcionar como base de desenvolvimento de ligações para outros locais, o que permitirá disponibilizar débitos muito mais elevados do que os que actualmente são garantidos às entidades utilizadoras. Nesta fase inicial ficarão ligadas as maiores Universidades portuguesas o que catapultará os nossos investigadores e alunos do ensino superior para a primeira linha dos desafios da sociedade da informação e do conhecimento. Com o aumento de largura de banda que será possível através da ligação em fibra óptica, os investigadores nacionais poderão também desfrutar da rede GÉANT, a rede de investigação e de ensino europeia, uma infra-estrutura financiada pela União Europeia e que é apontada pelo Comissãrio Likannen como um dos mais importantes projectos financiados pelo 5º Programa Quadro de Investigação da União Europeia e do qual a FCCN é o parceiro nacional. Esta opção tecnológica está associada às necessidades de elevada largura de banda e à possibilidade de transmissão de dados simultaneamente em vários canais, traduzindo-se, desta forma, numa aposta que se considera estratégica nesta área. A FCCN continua neste pressuposto a abraçar os desafios tecnológicos e os requisitos dos seus utlizadores, tendo em vista acompanhar o nível de desenvolvimento tecnológico e os respectivos padrões de qualidade de entidades congéneres. Para a UMIC, este passo faz parte “do profundo empenho do Governo em mudar o modelo de desenvolvimento do nosso País: trata-se de apostar numa Sociedade e numa Economia assentes no Conhecimento. Isso passa, entre outros aspectos, por cumprir os objectivos de massificação de acesso previstas na Iniciativa Nacional para a Banda Larga”.