GPS continuará a funcionar, mesmo em caso de guerra

Com a eminência de um ataque dos Estados Unidos, especialistas alemães asseguram que o GPS continuará a funcionar pelo menos nos automóveis.

A associação automobilística alemã ADAC considerou que, ainda que os Estados Unidos reduzam por motivos militares e de segurança a precisão da informação fornecida pelos seus satélites, os actuais aparelhos de GPS incorporados em inúmeros veículos funcionarão sem problemas. Segundo a mesma fonte, tal será possível devido ao facto de estes sistemas poderem corrigir eventuais dados errados do satélite mediante bússolas electrónicas e velocímetros que têm incorporados. Menos eficazes serão, contudo, os sistemas de navegação para computadores portáteis e de bolso, geralmente mais económicos mas sem nenhum mecanismo de correcção de dados, acrescentou a associação. No mesmo sentido, fontes do governo norte-americano em Bruxelas confirmaram recentemente que o sistema GPS manterá as suas funções em caso de uma guerra, apesar de em anteriores conflitos o Pentágono ter ameaçado restringir o seu uso aos fins militares e se terem registado falhas frequentes. O sistema GPS, desenvolvido pelos Estados Unidos, baseia-se numa rede de 24 satélites e permite determinar a posição de um objecto, pessoa ou lugar com uma margem de erro de poucos metros. A União Europeia trabalha actualmente num sistema alternativo, Galileo, que pretende acabar com a hegemonia norte- americana a partir de 2008.