Intel interessa-se em redes móveis

A Intel vai virar as agulhar do negócio para o sector das telecomunicações, mais concretamente para os telemóveis e PDA`s.

Depois de dois anos de dura recessão, onde a indústria ligada ao sector tecnológico foi a mais atingida e a que sofreu mais danos colaterais, Craig Barret diz ser impossível prever quais os resultados que se podem obter nos próximos 12 meses. A Intel, cujo core business centra-se, precisamente, no fabrico de micro-processadores para PC`s, também sentiu, como não podia deixar de ser, quebras nos proveitos e teve que rever a sua estratégia negocial e posicionamento no mercado.

A empresa irá investir em tecnologia wireless, que Barret conta ser o próximo porto de abrigo para o ramo tecnológico. “A Intel está concentrada quer no segmento dos computadores pessoais quer nas comunicações, onde estão incluidos desde infra-estruturas de apoio às telecoms até aos dispositivos portáteis como PDA`s e telemóveis”, explicou o CEO da empresa norte-americana.

Para o efeito, a Intel já investiu nove mil milhões de dólares na estruturação do negócio de telecomunicações, e que coincidiu com o período mais negro da história do sector, mas nem por isso o líder mundial deixou de olhar para o futuro. O seu mais recente produto é a prova disso: o chip Centrino foi concebido para equipar módulos wireless (sem fios), a próxima geração da computação móvel.