Internet: Música bate sexo pela primeira vez

Pela primeira vez na história da Internet, a música bateu o sexo no ano passado nas consultas às páginas da rede, segundo dados oficiais hoje revelados nos Estados Unidos.

«São Francisco, California, 09 Fev (Lusa) – Pela primeira vez na história da Internet, a música bateu o sexo no ano passado nas consultas às páginas da rede, segundo dados oficiais hoje revelados nos Estados Unidos. No ano passado, registaram-se mil milhões “descargas” de música no formato MP3 e a procura de gravações digitais superou a pornografia. Este crescimento da distribuição de música pela Internet está a criar problemas ao comércio tradicional de discos em lojas, tendo a Virgin já ameaçado abandonar o negócio de porta aberta na rua.As empresas de música na Internet utilizam a tecnologia MP3 que permite distribuir, copiar e reproduzir música com a mesma qualidade de som que os CDÈs. Estas empresas possibilitam também aos artistas publicar as suas criações sem necessidade de recorrer a uma editora discográfica, ao mesmo tempo que os utentes podem escolher canções para fazer a sua própria compilação sem recorrer ao tradicional álbum com alinhamento fechado. A Associação Americana de Empresas Discográficas já processou as empresas de música pela Internet alegando a difusão de cópias piratas sem o pagamento dos direitos de autor aos respectivos músicos. O novo álbum dos Oasis, “Standing On The Shoulders Of Giants”, que só tem edição oficial no dia 28 de Fevereiro, é um caso típico desta situação, já que circula actual e livremente na rede. Uma das maiores empresas de “música por menú” na Internet, MP3.com, contestou o processo judicial da Associação e, por seu turno, acusou a Associação de praticar concorrência desleal com manobras económicas que prejudicam o valor das acções da MP3 na bolsa. Enquanto a Associação e a MP3 se debatem nos tribunais, cinco das maiores editoras discográficas, que compreenderam que não podem remar contra a maré das inovações tecnológicas, começaram a assentar as bases da sua própria existência na distribuição musical na Internet. A BMG, EMI, Sony, Universal e Warner estão a trabalhar com a IBM no desenvolvimento de um sistema chamado AlbumDirect para distribuir os seus discos na rede com um alto grau de segurança, qualidade de som e com opções para o cliente semelhantes às que oferecem as empresas de tecnologia MP3. Segundo fontes da IBM, nos testes de AlbumDirect intenta-se reproduzir para o cliente a experiência da compra de música como se fosse uma loja especializada, mas na rede. Os testes efectuaram-se entre Junho e Dezembro de 1999 com uma oferta limitada a mil lares com acesso à Internet por cabo na zona de San Diego. Em Outubro, aderiram à experiência mais 100 famílias do estado de Maine com serviços de Internet, via linha telefónica normal.Nos seis meses de experiência, produziram-se 4.000 “descargas” de música digital, com 50 mil canções. Os utentes escolheram a sua música de entre 1.000 álbuns e 200 singles. O sistema desenhado pela IBM inclui um sistema de prevenção de cópias ilegais e outro de segurança para pagamentos por cartão de crédito.»