LG 510W: em nome da fiabilidade

Numa altura em que os fabricantes se preocupam mais em lançar terminais com tudo o que é funcionalidade, apraz-nos verificar que ainda existem alguns que se preocupam em lançar produtos que apostam sobretudo na fiabilidade.

O Telemoveis.com testou e gostou do LG 510W. Não porque seja o último grito em termos de tecnologia, porque não é, mas sobretudo porque se trata de um terminal bastante fiável e que certamente irá agradar às muitas pessoas que ainda usam os telemóveis para a função para que estes foram inicialmente criados: receber e realizar chamadas.

O tamanho reduzido (82x45x20mm) e o seu peso (79 gramas) foram das primeiras características que chamaram a nossa atenção. Numa altura em que os terminais vão inevitavelmente aumentar de tamanho, este ainda promete ser excepção (juntamente com o T600 da Sony Ericsson, o Nokia 8310, etc. etc.). De ressalvar também o azul do terminal, mas isto já é uma questão de gosto pessoal. Adiante.

Embora tenhamos experimentado poucos terminais em formato de concha, muito em voga no Japão devido ao i-mode e consequente necessidade dos telemóveis terem ecrãs generosos mas ocuparem pouco espaço, confessamos que este formato nos agrada. Mas aqui também se trata de uma questão de gosto, mas pensamos que com o advir da terceira geração, este tipo de formato vai-se tornar cada vez mais popular.

Uma das características em que normalmente os fabricantes exageram prende-se com a autonomia dos terminais: o tempo em espera é mesmo sem tocar no telemóvel, e o tempo em conversação refere-se a uma chamada ininterrupta de algumas horas.

Ora, esse não é o uso que normalmente o utilizador comum dá ao seu telefone, daí que as quatro horas em conversação e as 200 em espera, no caso do 510W, possam ser arredondadas para umas generosas 150 horas de uso comum. Mas este valor obviamente varia de utilizador para utilizador.

Em termos de visor, as oito linhas de texto são uma mais valia para todos aqueles que fazem do SMS a sua forma mais frequente de comunicação, mas atenção: a escrita inteligente deste telemóvel falhou nos psicotécnicos, já que o vocabulário pareceu-nos quanto a nós desajustado, já que inclui palavras que não se usam na linguagem corrente e faltam algumas expressões básicas.

A alternativa reside na inserção de palavras no dicionário, mas também aqui não podemos inserir mais do que uma ou duas dezenas de palavras.

Ainda sobre o visor: os quatro níveis de cinzento são ajudados por uma retro-iluminação de cor azul, bastante suave e cómodo de usar. Os olhos agradecem.

Em termos de contactos, o LG 510W permite armazenar até duzentos nomes (o normal costumam ser 100 contactos) , e permite a sua constante actualização através da sincronização com o PC, através do MS Outlook Sync. A sua utilização é simples e intuitiva.

Outra das boas características do 510W é a marcação por voz (para 10 números à escolha), não que sejamos muito adeptos desta funcionalidade, mas revelou-se fiável. Mesmo constipado, o que significa uma pequena alteração no tom de voz, o 510W respondeu à primeira.

Este terminal disponibiliza ainda uma série de alarmes, calendário, calculadora e cinco jogos.

Em suma, estamos perante um terminal que podemos apelidar de básico no sentido em que não dispõe das últimas funcionalidades muito apreciadas pelos mais fanáticos das telecomunicações (MMS, câmara digital, GPRS, visor a cores, etc.), mas ainda assim trata-se de um telefone simples, fácil de usar e que certamente irá fazer as delícias de quem acha que os telefones de hoje em dia têm muito mais do aquilo que se precisa, e se utiliza.