• Início
  • Mobile
  • Mas alguém ainda usa os telemóveis para fazer chamadas?

Mas alguém ainda usa os telemóveis para fazer chamadas?

Num futuro não muito distante servirão para tudo menos para fazermos chamadas. Lteralmente. O envio de SMS, e-mails ou chats é que assumirão o protagonismo.

É verdade: num futuro não tão distante quanto isso, os telemóveis servirão para quase tudo menos para realizarmos chamadas. E se à partida pode parecer uma afirmação exagerada, façam vocês mesmos a pergunta: com que frequência realizam chamadas telefónicas e com que frequência optam por enviar SMS’s, e-mails ou serviços de chat?

Quem tem vindo a seguir esta tendência com especial atenção são os operadores de telecomunicações. De facto, a GSMA – um consórcio composto por vários operadores de todo o mundo – acredita que os dados móveis deverão ser a próxima ‘mina de ouro’ do segmento mobile, ultrapassando os lucros gerados pelas chamadas-de-voz já a partir de 2018. O que não é de surpreender se tivermos em conta o cada vez maior destaque que o tráfico de dados assume nos actuais tarifários móveis.

No futuro para que é que vão servir os telemóveis?

De acordo com a GSMA, o Japão tornou-se o primeiro país do mundo – ainda em 2012 . onde os lucros gerados pelos dados móveis ultrapassaram os lucros gerados pelos serviços de voz, com elevadíssimas probabilidades de a Argentina ser a próxima a ultrapassar esta meta. Mercados como o Reino Unido ou os Estados Unidos, por sua vez, poderão juntar-se ao ranking do Japão ainda em 2014.

De que forma é que isto vai afectar o mundo, ou até mesmo nós enquanto utilizadores? Existem várias previsões: os serviços de Saúde que recorrem ao mobile poderão ser uma das grandes revoluções dentro deste segmento ao longo dos próximos cinco anos, estando previsto que possa salvar cerca de 1 milhão de vidas em África ao longo deste período; os serviços de educação com recurso ao mobile também deverão contribuir para a formação de 180 milhões de estudantes; os meios de transporte provavelmente irão tornar-se ‘inteligentes’, a tecnologia mobile irá propagar-se ainda mais e deverá contribuir para uma redução de até 35% do tempo perdido em transportes públicos.

No futuro para que é que vão servir os telemóveis?

Os dados móveis não são apenas uma comodidade, mas estão a tornar-se na energia vital das nossas vidas diárias, sociedade e economia, com mais e mais pessoas ligadas, referiu Michael O’Hara, director de marketing da GSMA. Esta é uma responsabilidade imensa e a indústria móvel precisa de continuar a colaborar ocm governos e sectores-chave da indústria para disponibilizarem produtos e serviços que ajudem as pessoas em todo o mundo a melhorar os seus negócios e sociedades, acrescentou.