NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
Ericsson regista quebra no terceiro trimestre

Ericsson regista quebra no terceiro trimestre

sexta-feira, 26 outubro, 2001 /
Ericsson regista quebra no terceiro trimestre Perde 4.4 biliões e mantém-se pessimista em relação ao futuro. Presidente vai de patins... O actual presidente da Ericsson, Lars Ramqvist, deverá abandonar o cargo na próxima reunião de accionistas da empresa - em Março próximo - na sucessão dos maus resultados da empresa, hoje anunciados, no terceiro trimestre deste ano. Na direcção da empresa deverá tomar o seu lugar Michael Treschow, actual director executivo da Electrolux.

A empresa sueca, que no conjunto é o maior fabricante mundial de equipamentos de telecomunicações - que representam igualmente 80% do seu volume de negócios - anunciou perdas, depois dos impostos, na casa dos 3.96 biliões de coroas (cerca de 420 milhões de Euros) - comparativamente a um lucro de 4.4 biliões no mesmo período do ano passado.

No decurso dos últimos meses a Ericsson foi forçada a despedir cerca de 22 mil trabalhadores tendo também tomado a iniciativa estratégica de fundir a sua divisão de terminais - a dar prejuízo desde o segundo trimestre do ano passado - com a Sony numa joint venture.

Relevante é ainda o facto de a empresa se ter mostrado mais pessimista face ao futuro do mercado das redes (de que extrai grande fatia do seu volume de negócios) do que os seus concorrentes mais directos. Segundo a Ericsson o mercado das redes deverá ter um crescimento nulo ou no máximo de dez porcento no ano que vem. Assim sendo, só em 2003 a empresa augura uma retoma.

Ainda assim, no final deste ano, e no tocante aos terminais, a Ericsson espera vender entre 400 e 440 milhões - valor aparentemente superior ao previsto pela Nokia (390 milhões).

4,284