NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
Neonode N1m

Neonode N1m

quarta-feira, 22 junho, 2005 /
Neonode N1m 1 GB de memória, um inovador ecrã táctil concebido para ser operado com o dedo e um sistema operativo baseado no Windows CE constituem a marca de água deste Neonode, recém-chegado da Suécia...

CARACTERÍSTICAS
Ecrã
: TFT táctil. Resolução 176 x 220 pixéis, a 65 535 cores.
Sistema Operativo: Variante do Windows Mobile CE 5.
Processador: ARM 922T 220 MHz.
Dimensões : 8,8 x 5,2 x 2,1 cm. 94 gramas de peso.
Câmaras : Resolução máxima 1024x1024 pixéis, sem gravação de vídeo.
Multimédia : Windows Media Player (lê os formatos áudio MP3, WAV, WMA e vídeo MPEG 1, MPEG 4, WMV) c/ reprodução de som estéreio 48 kH. Inclui ficha para auriculares de 2,5 mm.
Messaging & Organizer: SMS e MMS, browser IE. Sincronização de contactos via o MS ActiveSynch.
Conectividade: Via cabo USB 1.1 (incluído).
Redes : Tripla banda GSM (900 + 1800 + 1900 MHz) c/ GPRS classe 10.
Memória: 16 MB Ram + Slot SD com cartão de 1GB incluído.
Bateria : Litío1400mAh. Inamovível.

Introduzido recentemente no mercado português, o Neonode N1m é um telefone de um tipo peculiar. Oferecido com a inédita capacidade de armazenamento de 1 GB, através do cartão SD incluído, situa-se algures a meio termo entre um smartphone e um telefone com capacidades alargadas de funcionamento como leitor de mp3. Para se enquadrar na primeira categoria falta-lhe de facto algum acréscimo de flexibilidade no sistema operativo - tendo o fabricante sueco optado por empregar uma versão ajustada do Windows CE que, não sendo compatível com o software para Pocket PC, consegue ainda assim correr, com algumas adaptações, software desenvolvido para CE -, bem como um TFT de maior dimensão (ostenta 176 x 220 pixéis contra a norma mínima do meio VGA para os PDAs e smartphones).

Com um processador de 220 Mhz e 16 MB de Ram, a grande novidade introduzida passa pelo TFT táctil, pensado não para ser usado com um dispositivo apontador tipo stylus mas directamente com o dedo. Para esse efeito, a marca optou por pura e simplesmente não incluir um teclado alfanumérico, tendo reduzido o número de botões a um mínimo de dois mais 4 teclas de direcção.

Toda a operação de manuseamento e navegação entre menus é deste modo feita através da passagem do dedo sobre o ecrã. Mediante fundamentalmente 5 gestos tipo: três de deslize vertical (canto direito, centro e canto esquerdo), que dão acesso aos três grandes grupos de menus (aplicações, acesso ao teclado e definições do telefone) e dois de deslize horizontal (da esquerda para a direita e vice-versa) que servem ora para seguir à frente na hierarquia de sub-menus, ora para regressar atrás, ora, em dados contextos, para aceitar e confirmar a função.

De salientar que as duas teclas presentes, para além de servirem para ligar e desligar o telefone, também duplicam a função dos gestos de deslize horizontal para respectivamente confirmar e anular cada função.

Todo o processo de introdução de informação deve ser feita através do teclado digital no ecrã (que se pode invocar mediante um gesto de deslize do dedo ao centro do ecrã, conforme explicado); no qual se empregou uma tecnologia por infra-vermelhos que, ao invés de reagir à pressão do dedo situa o local onde este está presente pelo cruzamentos de diversos feixes, repartindo-o numa grelha com quadriculas virtuais.

O resultado é um modelo radicalmente novo, particularmente compacto, que promete angariar uma faixa de público próprio.

1 GB de espaço para armazenamento

Para a transferência de dados (e nomeadamente de faixas de música, mas também para substituição das Pens de armazenamento) a partir de um PC o N1m conta exclusivamente com uma ligação por cabo USB (v. 1.1), estando ausente tanto a porta irDa com o bluetooth.

O terminal pode operar em dois modos diferentes: seja como mero dispositivo de armazenamento amovível (quando, com o telefone Off, se liga via USB ao computador, em cujo caso para além de surgir como disco no explorador do Windows, o telefone aproveita para carregar a bateria via a alimentação USB); seja como Mobile Device (quando esteja On ao ser ligado via USB), reconhecível pelo MS Active Sync podendo, nesta qualidade, funcionar à semelhança de qualquer PDA com Pocket PC, nomeadamente para fins de sincronização seja de ficheiros seja da agenda de contactos com o MS Outlook.

Neste particular, o telefone beneficia muito do facto de ser impulsionado pela tecnologia Microsoft, vantagem traduzida no facto de, na nossa experiência, não ter sido necessário em momento nenhum proceder à instalação de nenhum software adicional, bastando ligar o telefone ao PC para que este devidamente o reconhecesse e com ele comunicasse.

Outra utilização possível do ActiveSynch passa pelo chamado Podcasting, mediante o qual usando software como o iPodder ou o Doppler se permite ao utilizador gravar armazenar feeds de áudio - por exemplo de dadas estações em linha - que pode posteriormente transferir para o seu N1, ouvindo-os quando lhe seja mais conveniente.

Sistema Operativo & Software

Correndo uma versão particular do Windows CE 5, com o GUI Red Neo, o terminal não permite no entanto correr toda e qualquer aplicação compatível com aquele sistema operativo; embora, para quem tenha conhecimentos de programação, estando o respectivo código disponível, não seja demasiado difícil adaptá-la. Algumas aplicações podem no entanto correr sem essa necessidade, o que só se pode apurar experimentando.

.

De resto, existem já cerca de uma dúzia de aplicações «portadas» por uma comunidade activa de utilizadores, disponíveis para descarga no http://redneo.com, incluindo notavelmente um leitor de DivX.

Disponíveis estão ainda um conjunto de «temas» que permitem «skinar» a interface gráfica com novos ícones e esquemas de cores.

No plano do mobile fun com o telefone são pré-disponibilizados dois jogos: uma versão do Tetris e, no cartão SD, o «Eclipse», um tipo jogo arcade com bons gráficos que coloca o utilizador no controlo de uma nave que, por entre um campo de asteróides, se debate com um incessante fluxo de alienígenas atacantes que deve destruir, acumulando para o efeito armas e «power ups» que exponenciam o seu efeito destrutivo

Sendo estas duas aplicações lúdicas de elevada qualidade, a ausência de Java limita, de resto, em muito a possibilidade de se vir posteriormente a acrescentar mais.

Como organizador, o telefone disponibiliza uma agenda de afazeres, podendo na lista de contactos ser armazenados até um milhar com diversos campos de informação.

Capaz de receber e enviar SMS e MMS o telefone não inclui porém um cliente de e-mail nem software com suporte para a visualização dos formatos MS Office.

Como seria de esperar, foi incluída uma calculadora e uma aplicação tipo «bloco de notas».

Capturas de Ecrã do Neonode N1m

Clique sobre as imagens para as ver no tamanho original.
No final use o menu abaixo para passar às páginas seguintes (5 e 6) desta crítica.

Multimédia & Câmara

É a nível das possibilidades multimédia que, mercê do 1G do cartão, o N1m se destaca. Desde logo pela inclusão de uma versão do Windows Media Player capaz de reproduzir não só o formato .mp3 como o .wma, a par do óbvio e expectável wave.

Ao utilizador é deixada a possibilidade de criar e gerir playlists personalizadas de acordo com os seus gostos.

A qualidade do som estéreo 48 kHz pode ser melhor apreciada através dos phones incluídos (com interruptor para controlo do volume no cabo), processando-se a ligação destes através de uma ficha standard de 2.5 milímetros.

Para além da reprodução áudio, o Media Player possibilita ainda a visualização de filmes nos formatos mpeg e .wmv bem como, através da instalação de software gratuito adicional, DivX. Para proceder à conversão para um formato de ecrã apropriado, com economia de espaço, existe variado software, como por exemplo o PocketDivXEncoder.

Se é bastante versátil na reprodução do vídeo, já quanto à sua gravação a câmara do N1m é omissa em funcionalidades.

Se não pode gravar vídeo, o utilizador pode no entanto tirar fotografias até ao limite máximo de resolução 1024 por 1024 pixéis (formato quadrado, incomum), podendo ainda optar pelas resoluções intermédias de 640x480, 320x240 e 160x120.

No limite do espaço disponível no cartão o utilizador pode tirar para cima da dezena de milhares de fotos, sendo permitido durante a aquisição de para cada uma ajustar o parâmetro de brilho; de resto o flash está ausente bem como determinado tipo de efeitos - de interesse discutível, é certo - comum noutros telefones.

Como tudo o resto no telefone, a disparo da foto deve fazer-se através de um toque no ecrã.

A qualidade das imagens obtidas é mediana (ver fotos).

Conclusão

Com o N1m a Neonode introduz duas novidades exclusivas: a operação integral do telefone com o dedo através do TFT táctil e o incremento brutal da capacidade de armazenamento. Se a primeira é uma questão de conceito, original mas discutível segundo o gosto de cada um - para muitos será mais um caso de «primeiro estranha-se, depois entranha-se - a segunda é uma vantagem indisputável que reunirá o consenso.

Usar uma versão particular do Windows CE como sistema operativo tem por seu lado um conjunto de vantagens (a começar pela compatibilidade e o reconhecimento como dispositivo standard de armazenamento por parte do Windows) que, ainda assim, poderiam ser maiores caso a opção se tivesse feito por uma versão standard, completa. Como está, o software disponível é relativamente reduzido, estando o utilizador em muito dependente da boa vontade da comunidade de utilizadores, com a volubilidade que é reconhecida a tal sistema.

Com linhas elegantes, é porém questionável a opção pela exposição permanente tanto da ranhura e cartão SD como do cartão SIM. O facto de a bateria não ser substituível pelo utilizador é igualmente algo que fará alguns pensar duas vezes.

A ausência de opções de conectividade (irDa e bluetooth) constitui outro aspecto cuja falta poderá ser sentida, ainda que, neste particular, a Neomode tenha já anunciado a introdução de uma novidade no seu próximo modelo: o suporte de Wi-Fi, desenvolvido em cooperação com a Philips Semiconductors.

Síntese de pontos fortes:
- Capacidade armazenamento (1GB).
- Suporta a reprodução de amplos formatos multimédia (áudio e vídeo).
- Facilidade de reconhecimento e uso como dispositivo de armazenamento e transporte de dados capaz de substituir as típicas Pens.
- Ecrã táctil feito para ser manuseado com o dedo elimina o teclado e propicia um design compacto e original.
- Processador veloz ARM a 220 Mhz.
- A bateria é recarregável via a ligação USB.
- O carregador vem com adaptador para fichas da Europa continental e do Reino Unido.

Síntese de pontos fracos ou a melhorar:
- Embora seja mini-USB standard, sendo fácil comprar um substituto nas lojas ou mesmo reaproveitar um de outro dispositivo, o cabo de ligação tem um fio particularmente curto (25 cm). Seria conveniente que fosse mais extenso.
- A ligação é USB 1.1. Relativamente lenta quando a capacidade do cartão e o volume de dados a transferir pode chegar ao 1 GB. Seria útil que o standard suportado fosse o USB 2.
- Os botões de selecção e anulação poderiam ser maiores e ou a sua função ser concomitante com um botão central aos 4 de direcção; de selecção em profundidade.
- O cartão SD não suporta SDIO (limitação dependente também do sistema operativo) que coloca o modelo em desvantagem face a um PDA PPC.
- O Media Player poderia suportar efeitos gráficos.
- É necessário inverter o telefone durante as chamadas, estando o microfone localizado na parte de trás - segundo a marca, para evitar que se active o ecrã táctil por engano com a face.
- Não grava vídeo.
- A bateria não é removível/substituível.
- A exclusão do suporte Java limita o número de jogos que se podem correr.
- Não inclui cliente de e-mail.

4,015