NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
Vivo perde quota em Março

Vivo perde quota em Março

quarta-feira, 19 abril, 2006 /
Operador ainda lidera mercado brasileiro. De acordo com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), a quota de mercado da Vivo caiu mais de 5 pontos percentuais no espaço de um ano. Em Março, o operador tinha uma quota de 33,71, enquanto que um ano antes era de 39,3%.

A italiana TIM segue em segundo lugar, com 23,53% (21,3% em Março de 2005), à frente da mexicana Claro, com 21,75% (20,8% em Março de 2005).

«A Vivo vai continuar a perder quota de mercado porque não deverá mudar seu comportamento em relação às ofertas agressivas praticadas por suas concorrentes directas», comentou o analista do Banif Investment Banking, Roger Oey.

A Claro tem realizado as campanhas mais agressivas do mercado brasileiro ao oferecer telemóveis por um real (0,38 euros), salientou o analista, avançando que a perda de quota da Vivo resulta também da tecnologia TDMA adoptada pelo operador luso-espanhol, que é diferente da tecnologia GSM usada pelas concorrentes.

A projecção do analista do Banif Investment Banking é que o número de utilizadores da Vivo aumente apenas 8% neste ano. Já o número de utilizadores da Claro e da TIM deverá aumentar em média 20%, o que reduzirá no final deste ano a penetração da Vivo no Brasil.
2,505