MWC2011 – o conteúdo é Rei

Embora o número de aplicações para Android seja o que mais aumenta, comparativamente com o iOS (sistema operativo do iPhone e iPad) isso não significa que vamos encontrar tudo o que queremos no Android.

Aplicações como grandes jogos de grandes produtoras e estúdios ainda são algo escassos, ferramentas educativas para crianças, livros interactivos, enfim, aplicações que normalmente pagamos entre 5 e 10 dólares cada para o iPhone ou iPad, normalmente não as encontramos disponíveis para Android. Troquei recentemente o iPad com que andava por um Samsung Galaxy, e sinto falta de muitas coisas…

Acho que um dos motivos que me levava a comprar por impulso algumas aplicações que estavam disponíveis era a forma simples e intuitiva com que comprava no iTunes, experiência essa que não consigo ter quando tento comprar aplicações para o Android.

Outro motivo pode até ser o entusiasmo do Google pelo GRATUITO, enquanto que a Apple tem garantido algum rendimento para os programadores, por pouco que seja em alguns casos. Lembro-me que havia uma aplicação paga no iPhone de navegação GPS, da TomTom, nauma determinada altura o Google anunciou uma aplicação gratuita para Android, de navegação GPS, e agora há aplicações de navegação grátis em ambos os sistemas operativos mobile, mas o processo foi muito doloroso para os criadores de conteúdo.

Ás vezes o GRATUITO ate pode funcionar, até há bem pouco tempo havia uma aplicação do Angry Birds no Android, que era suportada por anúncios publicitários, enquanto que na versão para iPhone foi sempre necessário comprar a aplicação.

Finalmente estão a chegar ao Android as aplicações que permitem upgrades e vendas dentro da própria aplicação, o que pode vir a mudar um pouco o cenário e a inclinação desta balança, claramente pendente para o iOS em termos comerciais.