Novos prestadores encaminham 12% do tráfego

Os novos prestadores do Serviço Fixo de Telefone encaminharam 12,1% de todo o tráfego de longa distância gerado em Portugal.

Os novos prestadores do Serviço Fixo de Telefone encaminharam 12,1% de todo o tráfego de longa distância gerado em Portugal, através de acessos directos e indirectos, durante o terceiro trimestre deste ano, contra os 10,4% apurados no final do primeiro semestre, revelam os dados compilados pelo Instituto das Comunicações de Portugal (ICP). De modo desagregado, constata-se que os novos prestadores foram responsáveis pelo encaminhamento de 10,26% de todas as chamadas interurbanas e por 17,16% de todas as chamadas internacionais de saída. Este tráfego corresponde às chamadas que, na referida data, eram elegíveis para o acesso indirecto e, por isso, estavam abertas à concorrência neste tipo de acesso. No que respeita ao acesso indirecto, e durante o período em análise, o número de clientes dos novos prestadores aumentou 52%. Em termos absolutos, o número de assinantes cresceu de 275 para 417 mil entre Junho e Setembro de 2000. Findos os primeiros nove meses da liberalização, constata-se que mais de metade das chamadas encaminhadas por este tipo de acesso, 53%, corresponderam a ligações nacionais. As chamadas internacionais ficaram com a parcela restante, 47%. Recorde-se que o encaminhamento de ligações fixo-móvel só se tornou elegível para o acesso indirecto no início do quarto trimestre de 2000, o mesmo sucedendo com as chamadas locais e regionais em 1 de Janeiro do corrente ano. Em Setembro de 2000 estavam licenciados 21 prestadores de rede fixa, incluindo o concessionário do serviço público de telecomunicações. Destes, 1 prestava serviços apenas em acesso directo, 8 prestavam serviços apenas em acesso indirecto e 3 estavam presentes no mercado com ambos os tipos de acesso. No seu conjunto, considerando acessos directos e indirectos, estes prestadores geraram um tráfego equivalente a 11,6 mil milhões de minutos entre Janeiro e Setembro, o que representa um crescimento de 49% face aos valores apurados até ao final de Junho. Do total de tráfego gerado, 98% correspondeu a comunicações geradas em acesso directo, sobretudo pelo concessionário do serviço público de telecomunicações. Cerca de 93% do tráfego cursado, no período em análise, correspondeu a comunicações de âmbito nacional. Estas informações baseiam-se na informação estatística enviada ao ICP pelos prestadores do Serviço Fixo de Telefone. Alguns destes prestadores confrontaram-se ainda com algumas dificuldades na recolha dos indicadores nos moldes e prazos estabelecidos pelo ICP, nomeadamente no respeitante ao número de clientes e ao número de chamadas internacionais. Por acesso indirecto ao Serviço Fixo de Telefone entende-se a prestação de um serviço de encaminhamento de chamadas telefónicas através de um prestador com o qual o cliente não está directamente ligado. Este tipo de acesso é possível de dois modos: através da selecção chamada-a-chamada, que implica a marcação de um código (10xy) de cada vez que o utilizador pretende encaminhar uma chamada; ou através da pré-selecção de prestador, uma funcionalidade que permite a programação da linha do cliente de modo a que as chamadas elegíveis sejam encaminhadas por defeito pelo prestador seleccionado previamente pelo cliente. O acesso directo, por seu turno, pressupõe a instalação de um equipamento no domicílio do cliente. Poderá obter acesso aos quadros estatísticos completos em: http://www.icp.pt/publicacoes/estcom/stcm/sft3_00.html