One Touch 701 – Nascido para seduzir

Este topo de gama é uma aposta para o segmento executivo…e feminino.

Depois de ter testado o One Touch 501, confesso-vos que de facto, e logo na altura os meus olhos já se tinham cruzado com o 701, o topo de gama da série One Touch tinha-me ficado na memória. É de facto parecido com o 501, mas a sua menor espessura e a tampa de facto dão-lhe um toque bastante mais sofisticado. É um telemóvel que impressiona à primeira vista, embora faça mais furor entre o sexo feminino. ” Que Giro” e ” Tão Fofinho ” foram algumas das frases que ouvi, sobre o telefone entenda-se.

A primeira coisa que senti, e isto é mais para quem já experimentou o 501, é o facto do jostick ser ainda mais preciso, logo seguido do dispositivo, prático ( por comparação ao 7110 da Nokia), que permite abrir a tampa, para os que ligam a isso, com uma boa dose de estilo. O único senão que impede o telefone em termos estéticos de ser perfeito é a antena. Se fosse interna..mas mesmo assim tenho o palpite que a maioria das mulheres vai gostar e querer ter este terminal. .

Agora…pormenores. O manual que acompanha o 701 é detalhado à primeira vista e digo à primeira vista porque de facto ensina tudo passo a passo, quer por ícones, quer por texto, a fazer tudo desde uma chamada até à configuração WAP. É nesta última que reside o de Aquiles deste terminal. A configuração deste serviço revelou-se uma tarefa quase impossível, porque é de facto um pouco complicado. Desisti, e tenho a certeza que uma das razões para o insucesso do WAP, para além de uma má estratégia de implementação, deve-se ao facto de a configuração ser bastante complicada, e o mal não está só neste terminal.

As características técnicas são, para além de muitas, atractivas, senão vejamos: pesa 88 gramas, é pequeno o suficiente com 10.3 x 4.2 x 2.0, joystick, agenda telefónica bastante completa que permite criar vários grupos e separar os seus números por directorias, uma agenda prática para programar a sua vida, alarmes e tarefas. O sistema de alta voz é, à semelhança do 501, bastante eficaz e com uma boa qualidade sonora, suficiente boa para evitar aborrecimentos com uma brigada de trânsito mais inoportuna. Pode ainda gravar algum pensamento mais rápido no voice memo ou ainda, e porque falamos em voz, usufruir do sistema de reconhecimento por voz. A grande mais valia em relação ao modelo abaixo é a excepcional bateria de polímeros de lítio, que garante (de facto) cerca de sete horas e meia de conversação e trezentas horas em stand-by. Desde que chegou às nossas mãos há cerca de uma semana ainda não o recarregámos.  

Em termos gerais este é um terminal de fácil uso, graças ao jostick, bastante intuitivo, e para quem não é fã de WAP, vai evitar umas dores de cabeça. O Telemoveis.com ficou rendido, gostámos bastante, ainda para mais com o atractivo preço de 39 mil e 900 escudos, nunca esquecendo de que estamos a falar de um topo de gama da Alcatel.