ONI apresenta resultados do terceiro trimestre

Receitas quintuplicaram mas o clash flow piorou…

As receitas da ONI SGPS até Setembro deste ano são cinco vezes superiores às registadas no período homólogo do ano anterior. Não obstante, o cash flow operacional, medido pelo EBITDA, agravou-se para 58,2 milhões de euros.

O aumento das receitas é atribuível ao aumento das receitas: aos 21 milhões de euros de proveitos da Comunitel; ao aumento de receitas do serviço de telecomunicações (72,2 milhões de euros); e ao aumento de vendas de equipamentos (16,3 milhões de euros).

Os serviços de voz constituem o grosso do tráfego da Oni, 67% das receitas de serviços (792,3 milhões de minutos). Neste domínio, a clientela empresarial é de longe a que mais procura a operadora (76% do volume do tráfego de voz contra apenas 19% por parte da clientela residencial. No final de Setembro a operadora detinha 576.012 linhas equivalentes contra 277.246 no final de Dezembro.

Os serviços de dados representam 19% das receitas de telecomunicações da ONI, com 335.700 contas de internet registadas.

A nível dos custos de aluguer de circuitos à PT o valor cresceu para 15,3 milhões de contos, dá ainda conta o DE que salienta igualmente que o EBITDA da Oni SGPS foi negativo em 58,2 milhões de euros, mais do dobro do registado no período homólogo de 2000 tendo-se agravado da mesma forma o EBIT em 86%, para 93,9 milhões de Euros.

Segundo o Diário Económico, nos primeiros três trimestres a ONI investiu 339,3 milhões de euros, dos quais 38,9 em investimento operacional; 27,9 milhões no UMTS e 272,8 milhões em investimentos financeiros na área das telecomunicações.