Optimus Open Air «foi um sucesso»

25 mil pessoas em 18 noites.

«O Optimus Open Air foi um sucesso e desejamos que este evento seja uma referência no Verão português», afirma Carlos Martins, da D+3 e um dos mentores do projecto.

Por seu lado, Zé Ricardo, o curador e director musical do evento, declara que «o Optimus Open Air foi um evento musicalmente único. Nunca se viu em Portugal uma reunião de artistas portugueses e brasileiros tão verdadeira e tão inovadora. Toda a classe artística abraçou a ideia. Tenho a certeza que a experiência musical que vivemos juntos no palco não termina aqui: este é o início de longas amizades e fortes parcerias. Começa agora um novo futuro e uma nova história na relação musical entre Brasil e Portugal».

Refira-se que, a nível musical, Zé Ricardo convidou 40 músicos a subirem ao palco do Optimus Open Air, todos eles conhecidos artistas portugueses e brasileiros, criando espectáculos únicos exclusivamente para o evento. A organização considera que a iniciativa «superou todas as expectativas» e destaca que, além das datas calendarizadas para a sua actuação, os músicos estiveram quase sempre presentes no evento, «proporcionando momentos únicos de espectáculo musical que não estavam programados no cartaz».

Também o cinema foi uma das tónicas do evento, nomeadamente com a instalação do maior ecrã ao ar livre do mundo. E, a par de grandes êxitos como Matrix, Apocalypse Now e Kill Bill, o Optimus Open Air permitiu ao público assistir a três estreias nacionais: Sin City, Batman – Begins e Les Dalton.

Aliás, os filmes Sin City, Matrix, Piratas das Caraíbas, Batman – O Início, O Senhor dos Anéis – As duas Torres, Oito Mulheres, Million Dollar Baby – Sonhos Vencidos e Moulin Rouge foram os dos dias que tiveram maior adesão por parte do público, chegando a números recordes de lotação.

Além do cinema e da música, estava alojada na área lounge a zona multimédia, sala de jogos online, bares, cafés e restaurantes, proporcionando alegria e diversão a todos os visitantes.