Skip to main content

PT e Telefónica querem ser o maior operador da América latina

A PT e a Telefónica anunciaram a constituição de um acordo estratégico tendo em vista a criação de uma empresa para os serviços móveis no Brasil, com uma capitalização de 10 mil milhões de dólares.

Lisboa/Madrid/São Paulo – 24 de Janeiro de 2001: A Portugal Telecom e a Telefónica anunciaram hoje a constituição de um acordo estratégico tendo em vista a criação de uma empresa para os serviços móveis no Brasil, com uma capitalização de 10 mil milhões de dólares. A nova empresa irá reunir, na medida em que a regulamentação brasileira permita, todos os activos móveis dos dois parceiros no Brasil, abrangendo actualmente cerca de 9,3 milhões de clientes e será o maior operador móvel da América Latina. A empresa irá cobrir uma área que representa cerca de 70% do PIB brasileiro e cerca de 94 milhões de habitantes. Actualmente a empresa tem quotas de mercado superiores a 60% nos estados onde opera. A empresa permitirá aos seus accionistas a concentração de recursos no desenvolvimento de novos negócios na região, melhorando globalmente o seu perfil financeiro. Esta nova empresa beneficiará de sinergias significativas ao nível operacional, de marketing e de serviço ao cliente. A nova empresa será detida em partes iguais, 50% cada, e será gerida conjuntamente por um Conselho de Administração composto por igual número de membros de ambas as partes. A Portugal Telecom nomeará o CEO e a Telefónica o Presidente. Como parte do acordo, a Telefónica poderá aumentar a sua participação na Portugal Telecom até aos 10%, através de aquisições no mercado secundário, o que está sujeita a aprovação em Assembleia Geral da Portugal Telecom agendada para o próximo dia 23 de Abril. Adicionalmente, a Portugal Telecom considera a possibilidade de aumentar a sua participação na Telefónica até 1,5%. Francisco Murteira Nabo, Presidente da PT, referiu: “A assinatura do acordo com a Telefónica para a constituição de uma nova empresa, a qual irá gerir todas as nossas participações em operações móveis no Brasil, marca o passo mais significativo dado, até agora, na consolidação do sector móvel brasileiro. A nova empresa iniciará a sua actividade assim que a liberalização o permita e será desde logo a maior empresa móvel da América Latina. O Grupo PT e a Telefónica acordaram unir esforços para financiar a forte expansão da nova empresa e assegurar a sua liderança do mercado. Para cimentar este acordo, a Telefónica acordou ainda adquirir mais 5% do capital da PT, aumentando a sua participação para 10% e a possibilidade de investir directamente na PT Móveis. Com esta forte aliança e com a nova empresa, o Grupo PT irá colaborar com a Telefónica para consolidar as suas operações móveis no Brasil e criar nos próximos cinco anos uma das dez maiores empresas móveis a nível mundial”. Cesar Alierta, Presidente da Telefónica, comentou: “No momento em que uma nova fase se abre no sector móvel no Brasil, a Telefónica e a Portugal Telecom partilham da mesma perspectiva de evolução para o desenvolvimento do mercado. Como resultado, seremos os líderes indiscutíveis do sector no Brasil e o maior operador móvel na América do Sul. A criação desta empresa, que será desenvolvida de acordo com as normas brasileiras, demonstra a confiança que a Telefónica e a Portugal Telecom têm no Brasil como um mercado estratégico e é o resultado do trabalho realizado em conjunto nos últimos anos. Este acordo global, que inclui igualmente um aumento da participação da Telefónica na Portugal Telecom, reforça as relações e a aliança entre as duas empresas e é um passo decisivo no processo que está a ter lugar internacionalmente no sector das telecomunicações”. Lisboa/Madrid/São Paulo, 24 de Janeiro de 2001 – A Portugal Telecom (BVL: PTCO.IN; NYSE: PT) e a Telefónica anunciaram hoje o estabelecimento de um acordo para a criação de uma nova empresa, a qual irá deter todas as suas operações móveis no Brasil, estando apenas sujeita à aprovação das autoridades regulamentares (ANATEL). A nova empresa, gerida pela PT Móveis e pela Telefónica Móviles será o maior operador móvel no Brasil e na América Latina, com 9,3 milhões de clientes sob controlo e com um mercado potencial de 94 milhões de habitantes. O segundo maior operador conta com aproximadamente 4 milhões de clientes. A nova empresa opera em áreas que representam mais de 70% do PIB total do país, detendo quotas de mercado superiores a 60% nessas áreas. A nova empresa reunirá os activos da Portugal Telecom (Telesp Celular em São Paulo e Global Telecom em Santa Catarina e Paraná) e os da Telefónica Móviles (Tele Sudeste Celular no Rio de Janeiro e Espírito Santo, CRT Celular no Rio Grande do Sul, bem como a Tele Leste Celular na Bahia e Sergipe, neste último caso ainda sujeita à aprovação dos parceiros). A empresa será, desde a sua criação, fortemente capitalizada e tem o apoio total da PT e da Telefónica para assegurar o desenvolvimento de um agressivo plano de negócios, o qual irá garantir acréscimos de quota de mercado, uma crescimento exponencial da base de clientes e a liderança no lançamento de novos serviços móveis, como a transmissão de dados e o acesso à internet. A PT e a Telefónica crêem firmemente que a inevitável consolidação do sector móvel brasileiro irá criar sinergias significativas e valor accionista. Ao anunciarem este acordo, tendo em vista a criação de uma nova empresa, que será o maior operador móvel no Brasil e assegurando a adequada estrutura de capital, as empresas criaram um consolidador natural deste mercado. A incomparável escala do acordo assegurará à PT e à Telefónica o reforço da sua liderança do mercado e criará mais valor para os seus accionistas. Os parceiros continuarão a desenvolver estudos aprofundados tendo em vista a quantificação das sinergias da junção das operações móveis da PT e da Telefónica no Brasil. Os parceiros tencionam obter benefícios pela posição dominante da Telefónica Móviles e da PT Móveis no desenvolvimento dos novos serviços móveis no Brasil, tendo sido pioneiros no lançamento de serviços WAP no país. A nova empresa, detida em partes iguais, terá um Conselho de Administração composto por seis membros, três dos quais, incluindo o Presidente, serão nomeados pela Telefónica. Os restantes três, incluindo o Vice-presidente, serão nomeados pela Portugal Telecom, que igualmente nomeará o CEO. A Telefónica nomeará o CFO da nova empresa. Ambas as partes estão confiantes que a efectiva combinação dos seus negócios móveis no Brasil ocorrerá no mais curto espaço de tempo, no seguimento da publicação de regulamentação que permita a migração das actuais concessões móveis (SMC) em autorizações PCS (SMP) e depois de consulta preliminar junto da ANATEL. Como parte do acordo, e sujeita a aprovação em Assembleia Geral da Portugal Telecom agendada para o próximo dia 23 de Abril, a Telefónica espera aumentar a sua participação na Portugal Telecom até aos 10%, através de aquisições no mercado secundário.