Skip to main content

Que níveis de segurança?

1.De que forma podem as instituições públicas zelar pela segurança dos consumidores?
2.Como se pode medir a segurança relativa da exposição a radiações electromagnéticas?
3.Como são definidos os níveis de segurança?
4.Quais são os níveis de segurança estabelecidos em Portugal?

1.De que forma podem as instituições públicas zelar pela segurança dos consumidores?

2.Como se pode medir a segurança relativa da exposição a radiações electromagnéticas?

3.Como são definidos os níveis de segurança?

4.Quais são os níveis de segurança estabelecidos em Portugal?

1.As instituições públicas podem definir os níveis de radiação electromagnética associados a um risco mínimo para a saúde e colaborar com a comunidade científica na investigação em curso. Desta forma podemos conseguir uniformizar a informação recebida pelo utilizador do telefone celular, notando as vantagens duma utilização informada e mais segura.

2.A radiações electromagnéticas não ionizantes, como são as emitidas pelos telefones celulares, penetram os tecidos expostos e produzem aquecimento, à medida que as células absorvem energia. O grau de absorção de energia está directamente relacionado com os possíveis efeitos biológicos das radiações. A partir deste conceito definiu-se uma Taxa de Absorção Específica ( Specific Absortion Rate-SAR) medida em Watt por Quilograma. É esta entidade mensurável que permite estabelecer níveis de segurança no contexto da exposição a radiações electromagnéticas.

3.Em 1996 a Organização Mundial de Saúde iniciou um projecto internacional de estudo das radiações electromagnéticas (EMF Project). Segundo este EMF Project, uma exposição a radiações electromagnéticas com uma Taxa de Absorção Específica a partir de 4 W/Kg pode ter efeitos nocivos para a saúde. Cada país é responsável pela definição dos níveis de segurança adequados; nos estados Unidos da América, a Comissão Federal de Comunicações definiu uma taxa (SAR) máxima de 1.6 Watt por quilograma, para telefone celulares. Este valor é muito inferior ao limite acima do qual se podem produzir efeitos prejudiciais à saúde.

4.Em Portugal, o organismo regulador, a Anancom, ainda não tomou nenhuma posição sobre os efeitos, nocivos ou não da exposição às radiações, nem chegou a consenso quanto a uma taxa (SAR) máxima admissível . Mais informações em http://www.anacom.pt/template2.jsp?categoryId=1645.