Skip to main content

Serviço de TV por subscrição continua a crescer em 2009

Os principais motores do crescimento do serviço continuam a ser as ‘outras tecnologias’ de acesso (IPTV e similares) e o DTH.

O número total de assinantes do serviço de TV por subscrição continuou a crescer no 4º trimestre de 2009, tendo ultrapassado os 2,5 milhões, mais cerca de 85 mil assinantes que no trimestre anterior e mais cerca de 243 mil do que no período homólogo. Os principais motores do crescimento do serviço continuam a ser as ‘outras tecnologias’ de acesso (IPTV e similares) e o DTH.

No final de 2009, o serviço de distribuição de TV por cabo representava 57% do total de assinantes de TV por subscrição – menos 2 pontos percentuais do que no trimestre anterior – enquanto o peso das “outras tecnologias” aumentou 1,3 pontos percentuais, representando cerca de 16%. O peso do DTH manteve-se em cerca de 26% do total e as ofertas de fibra óptica representam agora 1,2% dos assinantes do serviço de televisão por subscrição.

O Grupo ZON/TV Cabo continua a deter a quota de assinantes de TV por subscrição mais elevada (64,4%), menos 2,2 pontos percentuais do que no período anterior. A PTC é o 2.º maior operador de TV por subscrição com uma quota de 23% dos assinantes, mais 2,3 pontos percentuais do que no trimestre anterior. O terceiro maior operador continua a ser a Cabovisão, com uma quota de 10,2%.

No que respeita ao serviço de distribuição de televisão por cabo, no final do quarto trimestre de 2009, a soma dos alojamentos cablados por todos os operadores era de 4,3 milhões, mais 0,6% do que no trimestre anterior e mais 2,1% cento do que em igual período do ano anterior.

No mesmo período, o número total de assinantes manteve-se praticamente inalterado (1,45 milhões), face ao trimestre anterior. Em termos homólogos assistiu-se a uma redução de 1,5%. O principal operador alternativo de TV por cabo continua a ser o responsável pela quebra verificada em termos homólogos. Ao contrário deste operador, tanto o grupo ZON/TV CABO como a maioria dos restantes prestadores de menor dimensão reportaram um maior número de assinantes.

Continua a crescer o número de assinantes do serviço que beneficiam do formato digital – 795 mil assinantes, o que corresponde a cerca de 55% dos assinantes do serviço de cabo.

No período em análise, o número de assinantes do serviço de televisão através da tecnologia Direct To Home (DTH), era de cerca de 645 mil, mais 21 mil ou 3,4% que no trimestre anterior, e mais 58 mil ou 9,9% que no período homólogo.

Estima-se que em Dezembro existissem cerca de 1,2 milhões de casas cabladas com fibra óptica. O número de assinantes de TV por subscrição cujo serviço se suporta em fibra óptica (FTTH/B) atingiu os 31 mil, mais do dobro do trimestre anterior.

No período em análise, existiam 3 ofertas sobre fibra óptica (FTTH/B): uma da Sonaecom, uma da PTC e uma ZON/TV CABO (ex-TVTel), que, no entanto, não estão presentes em todas as regiões do país. Lisboa e Norte concentram quase 90% dos assinantes.

No que respeita às ofertas de televisão por subscrição assentes na rede telefónica pública (xDSL/IP) e em FWA, existem actualmente 4 ofertas disponíveis no mercado: da AR Telecom (sobre acesso fixo via rádio – FWA), da Sonaecom, da PTC e da Vodafone, estas últimas sobre a rede telefónica pública (xDSL/IP).

Os assinantes do serviço de TV por subscrição suportados nestas plataformas e tecnologias eram cerca de 401 mil no final de 2009, mais 45 mil do que no trimestre anterior, o que corresponde a um crescimento de 12,5%. Em relação ao período homólogo, contabilizaram-se cerca de 178 mil novos assinantes (em termos líquidos).

Até ao final do 4º trimestre de 2009, as receitas individualizáveis do serviço de televisão por subscrição totalizavam cerca de 652 milhões de euros, mais 12% que no período homólogo. Do total, cerca de 65% correspondem a clientes de cabo, 27% a clientes de satélite e 8% a clientes de outras tecnologias.

Já as receitas não individualizáveis de pacotes de serviços que integram o serviço de TV por subscrição atingiram os 126 milhões de euros e provêm essencialmente de pacotes triple play associados a tecnologias IPTV e similares.

Por : Cristina Brites – Telemoveis.com

Telemoveis.com on Facebook
Siga-nos no Twitter!