NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
Telemóvel até durante o sexo

Telemóvel até durante o sexo

sexta-feira, 15 abril, 2005 /
Estudo revela hábitos dos utilizadores. O estudo, realizado com base no contacto com mais de 3 mil pessoas de idades entre os 15 e os 35 anos, em 15 países, é encarado como um passo importante para compreender a ligação dos consumidores ao seu telemóvel e, antes do seu arranque, «não sabíamos aonde nos iria levar», reconhece Valerie Accary, Managing Director Multinational Clients da BBDO Europe. «No entanto - aponta - ficámos a saber que estamos ainda no início de uma grande mudança no que toca a novas relações com as marcas».

Aquela responsável afirma que «a nova tecnologia e, particularmente, os novos telemóveis oferecem uma oportunidade única para as marcas estabelecerem um contacto mais personalizado e efectivo com os seus clientes», donde resultam vantagens para ambos os lados.

Mas, quanto aos resultados directos do estudo, permitem concluir que, apesar de grande diferenças de cariz regional, elas são compensadas pelo que há de comum, nomeadamente: a relação intensa entre os utilizadores e o telemóvel, o sentido de privacidade que proporciona esssa relação e o nível de vantagens que a marca consegue obter quando actua correctamente na relação.

Algumas das perguntas colocadas aos entrevistados e respectivas respostas foram as seguintes:

- Quantas horas diárias tem o telemóvel ligado? 78% das pessoas disse que o tempo é superior a 16 horas.

- Pensa que o telemóvel diz tanto sobre uma pessoa como o seu carro? 45% pensa que sim.

- Esqueceu a carteira ou o telemóvel em casa. Por qual deles volta atrás? 38% volta pelo telemóvel.

- Já namorou via telemóvel? 52% já.

- Alguma vez atendeu o telemóvel enquanto mantinha relações sexuais? 14% já.

- Empresta o telemóvel a um amigo durante um dia inteiro? 63% diz que não.

Estas e outras questões levaram a estebelecer uma série de conclusões que poderão ser utilizadas como guia pelas marcas e/ou pelos operadores para definirem as suas estratégias de relação com os consumidores, tendo em conta o alto grau de privacidade em que as pessoas inserem o telemóvel.

A BBDO considera que há ainda «milhares de perguntas» a colocar aos utilizadores de telefonia móvel, estando a trabalhar nesse sentido.
2,863