Sony Ericsson K750i

Se não há telefones perfeitos, este K750i do mais próximo que se arranja e um dos modelos marcantes de 2005…

Sony Ericsson K750i

CARACTERÍSTICAS
Ecrã : LCD, resolução de 176×220 pixéis, capazes de 262 mil cores.
Dimensões : 10 x 4,6 x 2,05 cm. Peso de 99 gramas.
Câmara : 2 megapixeis (resolução até 1632×1224 pixéis) c/ zoom digital 4x. Grava vídeo.
Multimédia : Inclui rádio FM, Leitor Multimédia e editores altamente capazes (Music DJ, PhotoDJ e VideoDJ). Java MIDP2. Alta-voz.
Messaging : E-mail com suporte POP3 e IMAP, SMS, MMS, WAP 2.0
Conectividade: Bluetooth, infra-vermelhos e cabo USB (duplica como alimentador da bateria).
Redes : Tribanda GSM (900/1800/1900) c/ GPRS e HSCSD.
Memória: 34 MB internos + slot para cartões Memory Stick Duo (até 1GB, inclui um de 64MB).
Bateria : 900 mAh. Reclama até 9 horas em conversação e 400 em espera.

Prós: Câmara, compacto para as funcionalidades que oferece, software completo e funcional, memória.
Contras: Nenhum crasso.

Com câmara de 2 megapíxeis, rádio FM, leitura de MP3, bluetooth, 32 MB de memória própria e um cartão de 64MB, o K750i é certamente um dos modelos marcantes deste ano; uma maravilha de tecnologia e funcionalidade em forma compacta. Aguardado por muitos com expectativa não desiludiu, mercê também da boa atenção dada aos detalhes.

 

Desenho

 

A nível do design o K750i prossegue uma linha de continuidade inaugurada com o T610 e prosseguida pelo seu irmão mais próximo, o K700i.

A beleza do terminal é evidente: compacto, negro e sólido. A sua metade posterior é marcada pela cobertura da lente, que uma vez deslocada com o dedo activa automaticamente a câmara. As opções de configuração desta espraiam-se num menu horizontal que retira o máximo proveito da extensão do ecrã, em modo «paisagem», e levam o utilizador a orientar este tal e qual uma câmara, deitando-o. Sony Ericsson K750iO botão de disparo localizado do lado direito reforça a ideia de que se está a usar uma máquina fotográfica e não um telefone. Uma vez tiradas as fotos ou gravados os vídeos, o utilizador pode optar simplesmente para voltar a colocar a protecção sobre a lente, regressando ao menu principal do telefone. Estando bloqueado antes de iniciar a tomada de imagens, o teclado volta a esse estado.

Relativamente às teclas, estas estão dispostas segundo um estilo compacto, bastante vincado da Sony Ericsson para os seus telefones monobloco. A retro iluminação é feita num tom de luz branco, existindo três teclas de atalho no topo, um esguio joystic, manobrável com o polegar, que oferece quatro sentidos de direcção e um de selecção em profundidade. Acrescem as teclas alfanuméricas, e as duas para retorno e anulação. Lateralmente marcam presença o já mencionado botão de disparo da câmara, um botão para controlo do volume e ou do zoom e um botão «multimédia» de acesso às funções de reprodução musical do terminal (que pode ser configurado para dar alternativamente acesso ao leitor multimédia ou ao rádio).

Sony Ericsson K750i

Com 176 por 220 pixéis, o ecrã TFT do K750i é capaz de 262 mil cores, oferecendo designadamente a possibilidade de ajuste da intensidade do brilho, para além da óbvia pré-disponibilização de uma selecção de bom gosto de imagens de fundo, temas e protectores de tela que se pode usar concomitantemente ao modo sleep.

Com dez por 4,6 centímetros de tamanho (2,05 cm de espessura) e um peso de 99 gramas trata-se de um telefone de dimensão manifestamente abaixo daquilo que nos habituamos a encontrar em modelos de funcionalidade similar.

 

Características

 

A câmara digital de 2 megapixéis, capaz de zoom digital até 4X, é sem dúvida um dos elementos mais apelativos – virtualmente sem concorrência, ao menos enquanto a rival Nokia não disponibilizar no mercado o N90, capaz de resolução equivalente e com a anunciada e promissora inclusão de uma lente Carl Zeiss, que promete rivalizar nos resultados. Não é no entanto justo reduzir à câmara a valia do K750i; estendendo-se a uma multiplicidade de pormenores aparentemente pequenos mas, no conjunto, muito ricos, como, por exemplo, a preocupação de permitir a recarga da bateria via USB.

Tanto para as fotos (com resoluções alternativas de 1632×1224, 640×480 e 160×120 pixéis) como para o vídeo, o K750i oferece uma gama vasta de possibilidades de configuração. Desde a foto «normal», ao «panorama» que permite colar, lado a lado, por software, duas ou três fotos, passando pela aplicação de molduras (com cerca de duas dúzias por onde escolher), pela possibilidade de efectuar uma sucessão controlada de disparos sucessivos. Outras possibilidades da câmara incluem um modo «macro», especial para tirar fotos em proximidade, um modo «nocturno» para fotos em ambientes com baixa luminosidade e um modo «ligar luz» que activa uma espécie de flash presente ao lado da lente (e que, de outra forma, também se pode activar e usar, no dia à dia, como lanterna).

Sony Ericsson K750i

Um temporizador de disparo, a possibilidade de ajuste do brilho e de aplicação de efeitos como o preto&branco, sépia e solarizar compõem o ramalhete, sendo ainda de destacar que o terminal vem dotado com uma opção específica designada «equilíbrio de brancos» que basicamente permite deixá-lo ao critério do telefone («auto») ou escolher entre um de quatro tipos de ambientes de luminosidade passíveis de se tirar fotos em: luz diurna, dia nublado, luz artificial fluorescente e luz artificial incandescente).

Uma opção não muito comum em telefones móveis, mas bem conhecida das câmaras digitais que marca igualmente presença é a possibilidade de inclusão automática da data e hora nas imagens.

Relativamente à qualidade da imagem podemos escolher entre um de dois modos: normal e alta.

Clique para ver no tamanho original >>
Clique para ver no tamanho original >>
Clique para ver no tamanho original >>
Clique para ver no tamanho original >>
Clique para ver no tamanho original >>
Clique para ver no tamanho original >>
Clique para ver no tamanho original >>
Leg.: Em cima. Fotos em diversas resoluções, capturadas com o K750i.

 

Sony Ericsson K750iMultimédia & Memória

 

O K750i tem uma memória própria de 34 MB, expansível mediante uma ranhura Memory Stick Duo, presente num dos lados, que permite adicionar cartões até um máximo de 1 GB, deixando basto espaço para o armazenamento de imagens, vídeos e música.

O Media Player incluído suporta, designadamente, os formatos áudio os MP3, MIDI, AAC e WAV, bem como vídeo MPEG4 e 3GP.

Um sintonizador de rádio FM – dependente do uso do auricular estéreo como antena – está igualmente disponível, com espaço para armazenamento de até 20 estações pré-seleccionadas. É suportado o RDS (Rádio Data System) que permite reconhecer e visualizar, para as estações que o suportem, o respectivo nome.

Lateralmente, já o escrevemos, está presente um botão de atalho multimédia que permite iniciar e pausar a reprodução de faixas, sendo ainda permitido usar os menus do telefone normalmente, para outros fins que não ouvir música, durante a reprodução. O modelo está portanto bastante bem credenciado como leitor portátil de mp3, e tanto mais quanto o utilizador invista na aquisição de um cartão de memória de elevada dimensão. De resto, depois do lançamento a 12 de Agosto último do W800i (a rever brevemente aqui no Telemoveis.com), a Sony Ericsson já anunciou a sua determinação em lançar o W550i, o segundo telefone com a função assumida de duplicar como Walkman, com uns impressionantes 256 MB de memória própria (mas estranhamente omisso na possibilidade da sua expansão, via cartões – ao contrário do W800i, que inclui um cartão de 512MB), função Mega Bass e som estéreo amplificado, incluindo ainda software especifico para a transferência de música do PC para o telefone.

Sony Ericsson K750iNa mesma senda, muito há ainda a esperar com a chegada às lojas do Nokia N91, que entre outras características promete uns 4GB sem precedentes de espaço para armazenamento, marcando o início de uma tendência que parece inevitável a breve trecho: a inclusão de mini discos rígidos nos telemóveis.

Como organizador, o software do K750i engloba um alarme, calendário, gestor de tarefas, bloco de notas, cronómetro e temporizador. Com suporte Java MIDP2 é sempre possível descarregar e instalar mais jogos e aplicações a partir da Internet, mercê inclusive do suporte GPRS. O cliente de e-mail incluído suporta tanto o POP3 como o IMAP.

No que toca a jogos, no entanto, é de salientar que o terminal vem já com um trio que promete entreter o utilizador por horas sem fio, e antes de sentir necessidade de descarregar mais: Aero Mission 3D, PuzzleSlider e Super Real Ténis. O primeiro é uma simulação de combate aéreo, o segundo um gerador de puzzles – com possibilidade de criação de um a partir de qualquer foto, escolhida pelo utilizador – e o terceiro uma aplicações de ténis, comum alias a vários outros modelos SonyEricsson.

No plano da conectividade, para além da presença de uma porta de infra-vermelhos, o bluetooth é bem explorado, não se limitando à possibilidade óbvia de utilização de auriculares sem fios, nem tão pouco à transferência de ficheiros e informação com um PC, um PDA ou outro telefone, mas indo mais longe com uma possibilidade – consagrada, que nos recordemos, pelo menos desde já o K300i – de controlo remoto do PC, seja de apresentações PowerPoint, seja do Windows Media Player, seja do mero uso como controlador do cursor do «rato».

Sony Ericsson K750iNo CD com software distribuído com o modelo a SonyEricsson inclui controladores para uso do K750i como modem, para sincronização de contactos e agenda com o Outlook, bem como ferramentas para composição de MMS no PC e edição de imagem (incluindo o Adobe Photoshop Álbum 2.0 Starter Edition), e gestão do cartão SIM.

Outras possibilidades passam evidentemente pela inclusão da funcionalidade de criação de etiquetas de voz e pelo facto de a bateria (de 900 mAh) revelar ser bastante durável, reclamando até 9 horas em conversação e 400 em espera. A prática demonstra que, mesmo com uso do bluetooth, a necessidade da sua recarga faz-se em média ao fim de 3-4 dias.

 

Conclusão

 

Não há telemóveis perfeitos – existindo sempre a possibilidade de melhorar ainda mais alguns pormenores; por exemplo, o carregamento por USB é excelente mas – sendo impossível de inactivar – alguns sempre dirão que tem o potencial de contribuir para o efeito «cansaço», reduzindo a longevidade da bateria; o conector de ligação USB, por fio, podia ser standard e não proprietário; podia igualmente ter-se optado pela inclusão de uma saída convencional de 3,5 mm para uso de headphones «normais»; a nível das redes, podia suportar-se EDGE etc. – no entanto este Sony Ericsson K750i é dos terminais existentes um dos mais próximos dessa meta.

Trata-se de um telefone excelente, com uma câmara sem rival, um software muito completo e de grande facilidade de maneio, solidez de construção, boa durabilidade da bateria e – em cima disso tudo – preços de venda muito razoáveis. Recomenda-se sem rebuço. Dificilmente desapontará quem o adquira.

Sony Ericsson K750i