NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
Anacom testa qualidade das redes móveis

Anacom testa qualidade das redes móveis

terça-feira, 08 outubro, 2002 /
Anacom testa qualidade das redes móveis

As redes móveis GSM portuguesas revelaram-se a um nível igual ou superior ao das suas congéneres estrangeiras.

O estudo revela que a cobertura, equivalente ao vulgarmente designado por "rede", não é, ainda, homogénea em todo o território nacional. Embora apresente níveis satisfatórios no Continente e na Região Autónoma da Madeira, na Região Autónoma dos Açores observa-se uma situação diferenciada, com boa cobertura nas zonas urbanas e cobertura insuficiente ou inexistente nas zonas menos densamente povoadas e eixos rodoviários. Verificou-se inclusivamente, que o operador Optimus não estava presente nas ilhas das Flores, Corvo, Santa Maria e Graciosa.

A Acessibilidade, ou seja, a capacidade de estabelecimento e manutenção das chamadas, manteve um elevado nível de desempenho para este tipo de redes, não obstante o aumento do número de utilizadores observado nos últimos anos. Em todo o território nacional, cerca de 95% das chamadas de teste efectuadas foram estabelecidas com sucesso e mantidas de forma adequada durante o tempo pré-estabelecido. À imagem do observado com a cobertura, também com a acessibilidade se observaram diferenças de desempenho entre o Continente e as Regiões Autónomas.

Publicidade

No Continente, o índice de chamadas iniciadas e terminadas normalmente ultrapassa os 95%, tanto nas cidades como nos eixos rodoviários. Nos Açores e na Madeira verificaram-se diferenças entre as zonas urbanas e os eixos rodoviários: enquanto nas cidades os valores obtidos são muito bons - 97% na Madeira e 99% nos Açores - nos eixos rodoviários as chamadas terminadas normalmente ascendem a 93% na Madeira e não ultrapassam os 71% nos Açores. A situação observada nos Açores, já diagnosticada em 2001, deve-se à existência de zonas não cobertas pelas redes de alguns operadores, evidenciando a necessidade de esforço adicional de investimento, numa perspectiva de suprimento das deficiências.

A qualidade audio, indicador que mede a perceptividade das conversações, apresentou níveis bons ou aceitáveis em 99,4% das chamadas de teste realizadas e níveis pobres ou maus em 0,6% dessas ligações. As recolhas foram realizadas entre 28 de Fevereiro e 20 de Junho de 2002. Foram efectuadas 50 mil chamadas em 30 cidades e 10 eixos rodoviários do Continente, o que inclui todas as capitais de distrito e áreas metropolitanas de Lisboa e Porto. As recolhas estenderam-se a todas as ilhas dos arquipélagos dos Açores e da Madeira.

Foram dispendidas 704 horas e percorridos cerca de 23 mil quilómetros. O número de amostras recolhidas cresceu 25% face ao estudo de 2001 e 113% face ao estudo de 2000. Os testes duraram 215 horas na Grande Lisboa, 107 horas no Grande Porto, 7 horas nas cidades com 50 mil habitantes ou menos, 10 horas nas cidades com 50 a 100 mil habitantes e 14 horas nas cidades com mais de 100 mil habitantes. Nos eixos rodoviários, foram feitas 4 passagens por eixo, de modo a reforçar a representatividade da amostra.

Publicidade

Cada chamada teve a duração de cem segundos, uma duração aproximada ao tempo médio de cada chamada realizada pelos utilizadores. As recolhas foram realizadas entre um ponto terminal de uma rede móvel e um ponto terminal de uma rede fixa e em simultâneo para os três operadores, garantindo assim uma análise imparcial. Os dados foram recolhidos de forma automática por equipamento específico, sem qualquer intervenção humana. De acordo com os mais recentes dados estatísticos, são mais de 8 milhões os assinantes das redes móveis.

Se considerarmos a diversidade de equipamentos terminais disponíveis no mercado e a própria subjectividade inerente a cada utilizador, torna-se impossível a reprodução rigorosa das condições de interacção de cada consumidor com as redes. Neste contexto, os resultados deste estudo devem ser encarados como um indicador do comportamento global das redes. A sua extrapolação para situações específicas requer, por isso, alguma prudência. Se quiser consultar os mapas de cobertura, bem como outras informações pormenorizadas, clique aqui

4,354