NOTA! Este site utiliza cookies e tecnologias similares.

Se não alterar as configurações do seu navegador, está a concordar com a sua utilização.

Compreendo
Drones nas proximidades do aeroporto de Lisboa motivam preocupações e protestos

Drones nas proximidades do aeroporto de Lisboa motivam preocupações e protestos

quinta-feira, 11 dezembro, 2014 /
Drones nas proximidades do aeroporto de Lisboa motivam preocupações e protestos

O alerta foi dado pelo Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves

*Artigo publicado também no iOnline


Os protestos devem-se sobretudo à necessidade de legislar as regras de utilização destes equipamentos em Portugal. O Instituto Nacional da Aviação já afirmou que se encontra a trabalhar num projecto de lei relativo à utilização de drones em território português.

Álvaro Neves, director do GPIAA, chama a atenção para o facto de já terem sido detectados drones a 600 metros de altitude na aproximação da pista 03 de Lisboa. « A dimensão do aparelho [é] considerável e capaz de infligir sérios danos nas aeronaves », referiu em declarações à Agência Lusa.

Apesar de já existirem regras estabelecidas, a fiscalização que as mesmas deveriam implicar não está a corresponder às expectativas no controlo destes equipamentos.


« Uma vez que se multiplicam pequenos filmes na internet provando a existência destes aparelhos em território nacional, sem que haja qualquer restrição ao uso dos mesmos, urge também alterar o rumo da situação actual », comenta o responsável da GPIAA.

Quem também não vê com bons olhos a actual proliferação de drones em território nacional é a Associação de Pilotos Portugueses de Linha Aérea, que afirma não ter sido consultada em relação ao novo projecto de lei, actualmente em elaboração.

« É preocupante que os pilotos, enquanto profissionais de elevado prestígio e conhecimento, saberem que, mais uma vez, as entidades portuguesas se atrasam de forma inacreditável em acompanhar este fenómeno que não irá certamente esperar pelas entidades portuguesas », comentou Miguel Silveira, presidente da APPLA.


17,940