Telecel anuncia os resultados do primeiro semestre de 2000

A Telecel anuncia hoje os seus resultados não auditados relativos ao semestre findo em 30 de Setembro de 2000, tendo registado um cash flow operacional (EBITDA) de 28,3 milhões de contos

«Lisboa, 16 de Novembro de 2000 – A Telecel Comunicações Pessoais, S.A. (BVL: TLE AM) anuncia hoje os seus resultados não auditados relativos ao semestre findo em 30 de Setembro de 2000, tendo registado um cash flow operacional (EBITDA) de 28,3 milhões de contos (141,2 milhões de euros) e um lucro depois de impostos de 10,8 milhões de contos (53,9 milhões de euros) correspondendo a 50,1 escudos (0,25 euros) por acção reflectindo um crescimento de 34,8% e de 40,3%, respectivamente, em relação ao mesmo período em 1999. A Telecel gerou receitas operacionais e receitas de serviço recorde no semestre findo em 30 de Setembro de 2000, atingindo 84,9 milhões de contos (423,5 milhões de euros) e 77,6 milhões de contos (387,1 milhões de euros), respectivamente, apresentando crescimentos de 23,4% e de 24,8% relativamente ao mesmo período em 1999. As receitas operacionais compreendem as receitas de serviço (receitas provenientes dos serviços de telecomunicações) e outras receitas que incluem principalmente vendas de equipamentos. O EBITDA da Telecel no semestre findo em 30 de Setembro de 2000 atingiu 28,3 milhões de contos (141,2 milhões de euros), representando assim 37,9% do total das receitas de serviços de telecomunicações ajustadas (receitas dos serviços de telecomunicações deduzidas dos custos de interligação do tráfego de entrada). Excluindo os custos de desenvolvimento dos novos negócios de Internet e rede fixa, o EBITDA teria ascendido a 30,4 milhões de contos (151,6 milhões de euros). No final de Setembro de 2000, a base de clientes celulares da Telecel ascendia a 2.019.977, em resultado da adição de 225.050 clientes celulares desde 1 de Abril de 2000. Durante o terceiro trimestre de calendário de 2000, foram adicionados 162.753 clientes à rede celular da Telecel, um aumento de 33,7% relativamente ao mesmo período em 1999. A Telecel conseguiu aumentar a sua quota de mercado de novos clientes pelo terceiro trimestre consecutivo, tendo angariado 28% dos novos clientes do mercado neste trimestre (21% no período de Janeiro a Março e 24% no período de Abril a Junho). A família de produtos pré-pagos Vitamina, vocacionada para o segmento de consumo, continuou a contribuir para o crescimento da base de clientes, tendo sido responsável pela grande maioria das activações brutas no semestre findo em 30 de Setembro de 2000. Nesta data, os clientes de produtos Vitamina representavam aproximadamente 72% da base de clientes celulares da Telecel. A Telecel registou uma receita média mensal por cliente (ARPU) no negócio celular de 6.728 escudos (33,56 euros) no semestre findo em 30 de Setembro de 2000, um decréscimo de apenas 0,9% face ao mesmo período em 1999. A receita média mensal por cliente (ARPU) no trimestre foi de 6.858 escudos (34,21 euros), um aumento de 1,2% relativamente ao trimestre anterior. Em concordância com as restantes empresas do grupo Vodafone, a Telecel divulga igualmente a receita média mensal por cliente celular ajustada, calculada de acordo com a metodologia do grupo (receitas do serviço celular de telecomunicações deduzidas dos custos de interligação do tráfego de entrada divididas pela média ponderada do número de clientes celulares do período). O ARPU celular ajustado para o semestre findo em 30 de Setembro de 2000 situou-se nos 6.579 escudos (32,82 euros). No semestre findo em 30 de Setembro de 2000, a Telecel registou um cash cost médio mensal por cliente celular (CCPU, matematicamente definido como o total dos custos operacionais celulares líquido das amortizações e das receitas de equipamento dividido pelo número médio de clientes celulares do período) de 4.069 escudos (20,30 euros), uma redução de 9,7% relativamente ao mesmo período em 1999. A Telecel pretende manter a sua posição de liderança no mercado móvel português liderando a convergência móvel-Internet e o desenvolvimento do UMTS em Portugal. A 29 de Setembro de 2000, a Telecel entregou a sua proposta de candidatura a uma licença para operar a tecnologia UMTS, que se espera vir a ser atribuída em Dezembro de 2000. O negócio de Internet da Telecel, tanto como fornecedor de acessos como de conteúdos, tem tido um sucesso significativo desde o seu lançamento no final de Junho de 1999. No final de Setembro de 2000, o serviço “netc” da Telecel tinha cerca de 236.000 clientes, um aumento de 76.000 clientes desde 1 de Abril de 2000. Na área dos conteúdos, a Telecel continua a diversificar e a enriquecer o conteúdo do seu portal “netc”, posicionando-se como uma referência de qualidade nos portais em Português. No início de Outubro, a Empresa constituiu a TelecelOnline, uma nova subsidiária 100% detida pela Telecel, que inclui os actuais negócios da Telecel na área da Internet. A nova empresa disponibilizará o acesso à Internet, serviços de comunicação e de informação, conteúdos personalizados e integrados, portais horizontais e verticais, business to business e business to consumer, para além de serviços de comércio electrónico e de ASP (Application Service Provider). De modo a complementar a sua oferta celular, a Telecel lançou a 1 de Janeiro de 2000, o seu serviço de acesso fixo indirecto através do prefixo “1091”. No final de Setembro de 2000, o serviço de acesso fixo indirecto da Telecel tinha cerca de 62.000 clientes, dos quais mais de dois terços são clientes empresariais, o segmento de mercado no qual a Telecel concentra a sua actividade comercial na área fixa. No início de Junho de 2000, a Telecel disponibilizou, em fase piloto, serviços de acesso directo na sua rede fixa, utilizando a tecnologia FWA (Fixed Wireless Access) como suporte principal. Através da tecnologia FWA a Telecel oferece rede fixa com serviços de voz, dados, Internet e aluguer de circuitos ao segmento empresarial, através de uma oferta global de telecomunicações em banda larga. O serviço está já disponível em Lisboa e Porto e esperamos ter mais de 20 cidades cobertas no final do ano. Em Outubro, a Telecel e a CFocus anunciaram a formação da CelFocus, uma joint venture que visa o desenvolvimento e comercialização de soluções de Customer Relationship Management (CRM) aplicadas ao Sector das Telecomunicações, a nível nacional e internacional. A Telecel detém 45% do capital da CelFocus e a Cfocus aproximadamente 55%. De acordo com o calendário financeiro e com as políticas de reporte do grupo Vodafone, a Telecel alterou o final do seu ano fiscal para 31 de Março. Devido a esta alteração, efectiva a partir de 1 de Abril de 2000, o ano de reporte de 2000 da Telecel teve início em 1 de Abril de 2000 e não em 1 de Janeiro de 2000. O Presidente da Direcção da Telecel, António Carrapatoso, afirmou: “Estamos muito satisfeitos com o crescimento rentável da Telecel em 2000 e a crescente consolidação das nossas competências que nos posicionam de forma privilegiada para tirar partido dos desafios na indústria das comunicações em Portugal. Acreditamos firmemente que o UMTS irá revolucionar a utilização do telefone celular pelo que nos permitirá fazer em termos da introdução de novos serviços baseados nesta nova tecnologia. A grande qualidade da proposta de candidatura a uma licença UMTS entregue pela Telecel, evidencia o seu empenho e o valor que deposita na terceira geração móvel. A Telecel lidera já a convergência móvel-Internet em Portugal, tendo sido pioneira no desenvolvimento das tecnologias WAP e GPRS. Esperamos que dentro de 3 a 5 anos, mais de 20% das receitas da Telecel provenham de serviços “não-voz”.”»