Telecel anuncia resultados do segundo trimestre

Bolsa reage favoravelmente.

A meio da sessão a Bolsa de Valores de Lisboa estava hoje a reagir favoravelmente à apresentação dos resultados do segundo trimestre da Telecel Vodafone, cujos papéis registavam uma subida de 3,0% para 8,24 (1651$97).

A Telecel Comunicações Pessoais anunciou os seus resultados não auditados relativos ao trimestre findo em 30 de Junho de 2001. A Telecel Vodafone gerou receitas operacionais e receitas de serviços recorde no trimestre findo em 30 de Junho de 2001, atingindo 249,0 milhões de euros (49,9 milhões de contos) e 233,7 milhões de euros (46,9 milhões de contos), respectivamente, apresentando crescimentos de 23,0% e de 25,0% relativamente ao mesmo período no ano anterior. As receitas operacionais compreendem as receitas de serviços (receitas provenientes dos serviços de telecomunicações) e outras receitas que incluem principalmente vendas de equipamentos.

O EBITDA da Telecel Vodafone no trimestre findo em 30 de Junho de 2001 foi de 67,8 milhões de euros (13,6 milhões de contos), verificando-se um crescimento de 5,8% relativamente ao trimestre anterior, tendo representado 29,0% do total das receitas de serviços no trimestre. Excluindo os custos de desenvolvimento dos novos negócios, o EBITDA ascendeu a 72,1 milhões de euros (14,5 milhões de contos) e alcançou uma margem de 31,4% sobre as receitas de serviços.

No final de Junho de 2001, a base de clientes registados no serviço celular da Telecel Vodafone ascendia a 2.563.754, em resultado da adição de 84.954 clientes celulares desde 1 de Abril de 2001, um crescimento de 36,4% face ao mesmo período do ano anterior. A Telecel Vodafone prossegue a sua estratégia de maximização de quota de mercado de receitas de serviços, em vez de quota de mercado de clientes, procurando atingir todos os segmentos de mercado, com enfoque na angariação e manutenção dos melhores clientes de cada um desses segmentos.

Na mesma data, cerca de 92% dos clientes celulares registados na Empresa eram activos (excluindo os clientes que não geraram receita nos três meses anteriores). Os produtos pré-pagos continuaram a representar a grande maioria das activações brutas no trimestre findo em 30 de Junho de 2001 e, nesta data, os clientes celulares de produtos pré-pagos registados representavam aproximadamente 75% da base de clientes do serviço celular da Telecel Vodafone.

A Telecel Vodafone alcançou uma receita média mensal por cliente registado (ARPU) no negócio celular de 30,35 euros (6.085 escudos) no trimestre findo em 30 de Junho de 2001, um aumento de 3,8% em relação ao trimestre anterior. O ARPU por cliente celular activo foi de 32,87 euros (6.590 escudos) no trimestre findo em 30 de Junho de 2001.

O lucro depois de impostos para o trimestre findo em 30 de Junho de 2001 foi de 17,9 milhões de euros (3,6 milhões de contos), correspondendo a 0,08 euros (16,0 escudos) por acção, reflectindo um crescimento de 2,3% em relação ao trimestre anterior. O lucro depois de impostos reflectiu os elevados custos das amortizações, que ascenderam a cerca de 30,0 milhões de euros (6,0 milhões de contos) no trimestre, em resultado dos avultados investimentos que a Telecel Vodafone tem vindo a realizar de modo a tirar o melhor partido das oportunidades de crescimento que o futuro reserva, maximizando o valor da Empresa.

Cerca de 40% da base total de clientes celulares usa regularmente o serviço de SMS (Short Message Service) e esses clientes enviaram uma média de 52 mensagens escritas no trimestre findo em 30 de Junho de 2001. As receitas de dados móveis, que compreendem SMS, acesso móvel à Internet, dados e fax, representaram cerca de 5% das receitas de serviços da Telecel Vodafone no trimestre, e espera-se que subam para valores superiores a 20% nos próximos 5 anos.

A Telecel Vodafone atingiu cerca de 470.000 clientes registados no seu serviço de acesso à Internet no final de Junho de 2001, um aumento de 70.000 clientes no trimestre. A Telecel Vodafone espera concluir uma transacção com a Vizzavi relativamente ao seu portal Netc de “B2C” nos próximos meses. A Empresa acredita num mercado aberto com diversos fornecedores de conteúdos para a oferta de diferentes serviços e tenciona desenvolver aplicações e interfaces que permitirão uma relação aberta com os fornecedores de conteúdos.

De modo a complementar a sua oferta celular, a Telecel Vodafone lançou em Janeiro de 2000, o seu serviço de acesso fixo indirecto através do prefixo “1091”. Em 30 de Junho de 2001, o serviço de acesso fixo indirecto da Telecel Vodafone tinha cerca de 95.000 clientes registados, dos quais cerca de 80% são clientes empresariais, o segmento de mercado no qual a Telecel Vodafone concentra a sua actividade comercial na área fixa. No seu serviço de acesso directo, a Telecel Vodafone disponibiliza uma oferta global de serviços de telecomunicações contando com uma base de clientes de cerca de 50 empresas em Lisboa e no Porto.

O Presidente da Direcção da Telecel Vodafone, António Carrapatoso, afirmou: “Estamos muito satisfeitos com o crescimento continuado das receitas da Telecel Vodafone. Apesar da elevada concorrência do mercado português de telecomunicações, a Empresa tem conseguido aumentar de forma sustentada as suas receitas de serviços de comunicações e as suas receitas operacionais. A evolução recente do ARPU tem igualmente revelado uma tendência positiva no sentido da estabilização. No primeiro trimestre de 2001, a Telecel Vodafone continuou a lançar serviços inovadores direccionados para um mercado cada vez mais exigente, no que diz respeito a comunicações fixas, móveis e convergentes. Através da introdução no mercado português de serviços inovadores e valorizados pelos clientes, como o PBX móvel, o HSCSD, chat e jogos por SMS e o NexiData, o nosso objectivo é demonstrar claramente a nossa determinação em manter a estratégia de liderança na revolução dos dados móveis no mercado celular português. Acreditamos firmemente que desenvolvemos as competências internas adequadas que nos permitirão continuar a maximizar as receitas e o cash flow operacional da Empresa criando valor para os nossos clientes e accionistas.”