Telecomunicações americanas sem capacidade de resposta

Atentados terroristas deixam redes de pantanas e sites noticiosos com versões minimalistas.

Os ataques terroristas de que os Estados Unidos foram alvo e que, entre outros, provocaram o colapso das torres gémeas do World Trade Center, em Nova Iorque, e de parte de uma ala do Pentágono a par da debilidade dos sistemas de segurança americanos demonstraram outra coisa: as redes de telecomunicações, tanto a nível da WWW, como das redes de telefonia sem fios foram incapazes de dar resposta às solicitações dos internautas sequiosos de notícias e das famílias em busca de contacto com parentes residentes na big apple.

Alguns sites noticiosos americanos evidenciaram ontem manifesta incapacidade de corresponder à afluência de visitantes. Uns, de entre os quais a CNN, optaram mesmo por apresentar versões minimalistas, despidas de gráficos para maximizar a capacidade de resposta dos seus servidores. Em Portugal, os principais portais, de entre os quais o Clix e o Sapo, adoptaram estratégia análoga, apresentado imediatamente a abrir uma página inteiramente consagrada à cobertura do evento, no caso do primeiro, e uma janela de convite a visitar uma página alimentada com notícias Lusomundo, no caso do segundo. Coincidência ou não, o stream ao vivo da canal de televisão SIC Notícias também evidenciou ontem claros problemas no establecimento da ligação.

Telemóveis salvam sobreviventes. Operadores perdem antenas e reafectam meios

Ontem à tarde o 911, número de emergência nacional norte-americano estava knock out. Ainda assim, de acordo com a CNN, três sobreviventes, presos nos escombros, conseguiram ligar para familiares que contactaram as equipas de socorro avisando-as sobre o paradeiro e localização aproximados.

Entretanto, o operador Verizon Wireless anunciou que centenas dos seus clientes não estavam ontem a conseguir linha estando a empresa, em consequência, a redirigir estações base e hardware de outras partes do país para a área da cidade de Nova Iorque. Outros operadores, como a Cingular e a Sprint, admitiram que hardware tinha sido destruído com os embates dos aviões no World Trade Center e no Pentágono.

A Cingular adiantou mesmo um valor de 400 porcento para o número adicional de tráfego gerado em consequência da histeria provocado pelos ataques terroristas.

A AT&T e a SBC Communications pedem também aos seus clientes que se abstenham de fazer chamadas não necessárias uma vez que estavam a registar «um volume inacreditável de chamadas».