Telecomunicações vigiadas

Em nome da segurança e contra o terrorismo.

Os ministros da Justiça e da Administração Interna dos vários países que integram a União Europeia decidiram pela obrigatoriedade de os operadores de telecomunicações e fornecedores de acesso Internet guardarem, pelo menos durante um ano, informações sobre as comunicações.

A medida, que visa contribuir para o combate ao terrorismo, contempla pormenores relativos a chamadas telefónicas na rede fixa e na rede móvel, assim como SMS e correio electrónico, sendo registados e guardados dados sobre o autor e o destinatário de cada comunicação, data, hora, local e tempo de duração da mesma.

As medidas serão propostas em Setembro pela Comissão Europeia mas já estão a suscitar a oposição dos eurodeputados, devido a razões de privacidade dos cidadãos. E há também o problema financeiro por causa dos custos que a criação e manutenção de tais medidas implicará, nomeadamente para as empresas de telecomunicações.