Skip to main content

TMN e Telecel com os preços mais altos

A Jazztel é a operadora que apresenta um preço mais barato para as chamadas realizadas pela rede UMTS. A TMN e a Telecel são as operadoras mais caras.

A TMN e a Telecel, foram as duas operadoras que apresentaram os preços mais altos para as chamadas realizadas pela rede UMTS, ao lCP. Segundo Manuel Ramalho Eanes, responsável do projecto de concurso à licença apresentado pela Optimus, os preços médios mais baixos por minuto para o consumidor final foram apresentados pela Jazztel e pela Oni, que apresentaram “um preço único”. Quanto à Optimus, Manuel Eanes diz que “estabelecernos um preço médio de 108$00 por megabite quando a referência internacional é de 200$00)”. E sublinha: “o preço por nós apresentado é de 16$35 por minuto”. Manuel Ramalho Eanes mostra-se algo descontente com a atribuição do quarto lugar atribuído pelo lCP e adianta que “pelo que pudemos ver das outras propostas fomos penalizados, mas depois do dia 19 – o dia da decisão final- pouco importa a classificação, o importante é deter uma licença”. No primeiro ano de arranque da rede UMTS a Optimus, que apresentou uma taxa de cobertura de população inferior à dos seus concorrentes, prevê cobrir as 18 capitais de distrito, para no final do segundo ano cobrir as 121 cidades. 0 líder do projecto diz que “a Optirmus apostou claramente na qualidade e na velocidade da rede”. Manuel Eanes garante que “o número de antenas que nos propusemos cobrir estão garantidos em dobro pelos nossos fornecedores, Não sei se todos os operadores têm essa garantia”. O plano de investimentos da Optimus prevê um montante na ordem dos 270 milhões de contos para cobertura de rede, cerca de 740 milhões de contos paras financiamentos de acesso, ou seja descontos de rede para os consumidores, e ainda cerca de 125 milhões de contos em classificação de equipamento. O investimento será feito ao longo de 15 anos. Ao nível de empresas fornecedoras de equipamento., a Optimus está em conversações com quatro eventuais parceiros. Manuel Eanes diz que “existem muitos operadores com elevado número de encomendas ao mesmo tempo quer na Europa, quer no Japão pelo que temos a noção que vão existir falhas no mercado europeu”. Eanes acredita que o UMTS vai mudar a vida das pessoas “ainda que o crescimento esperado não seja tão rápido quanto o que eu esperaria”. No principio ano que exista equipamento, a rede de UMTS deverá ter uma taxa de cobertura de cerca de 3%. Ao que Manuel Eanes acrescenta: “esperemos que a Optimus tenha uma quota que seja interessante”. A empresa de telecomunicações de Belmiro de Azevedo já cobre 99,75% da população com a rede GPRS, apesar de estar ainda inactiva por não existirem no mercado aparelhos adaptados. A Optimus prevê a utilização conjunta das três redes (GSM, GPRS e UMTS) consoante o tipo de serviço solicitado pelo cliente. Por Elisabete Felismino