• Início
  • Social Media
  • TMN ultrapassa 2 milhões e cem mil clientes e atinge Resultados Liquidos de 22,9 milhões de contos

TMN ultrapassa 2 milhões e cem mil clientes e atinge Resultados Liquidos de 22,9 milhões de contos

A TMN, uma empresa PT, termina o ano de 1999 reforçando a sua posição de liderança no mercado das telecomunicações móveis em Portugal.

«- Número de clientes atinge 2 114 679 no final de 1999 – Proveitos Operacionais crescem 34% e ultrapassam os 148,5 milhões de contos – Resultados Antes de Impostos crescem 18% atingindo 36,8 milhões de contos – Resultados Líquidos crescem 13%, atingindo 22,9 milhões de contos – Investimento atinge 53,7 milhões de contos A TMN, uma empresa PT, termina o ano de 1999 reforçando a sua posição de liderança no mercado das telecomunicações móveis em Portugal. Líder em número de clientes desde 1995, a TMN reforçou esta posição em 1999, aumentando a diferença em relação aos seus concorrentes, o que significa, que neste ano, a TMN teve a maior quota de angariação de novos clientes, dispondo agora de cerca de mais 22% de cartões activos que o seu mais directo concorrente. No que se refere a resultados económicos, a liderança da TMN tem vindo, igualmente, a reforçar-se, uma vez que, atingindo os melhores Resultados Líquidos do sector desde 1998, esta posição se apresenta mais destacada no final de 1999. Este desempenho deve-se a um importante crescimento dos proveitos e a uma evolução controlada dos custos da empresa durante o ano que findou. Com efeito, os Proveitos Operacionais atingem os 148,5 milhões de contos, o que representa um crescimento de 34 % face a 1998. O “Cash Flow” Operacional (EBITDA) foi de 50,6 milhões de contos, 26 % superior ao de 1998, representando 34 % dos Proveitos Operacionais da empresa. Os Resultados Antes de Impostos cresceram 18 %, atingindo 36,8 milhões de contos. A 31 de Dezembro de 1999, o número de clientes da TMN era de 2 114 679, o que traduz um crescimento de 48 % durante o ano. Segundo Iriarte Esteves, Presidente da Comissão Executiva, “o aumento da concorrência, em consequência da entrada de um terceiro operador no mercado móvel português, em nada afectou o desempenho da TMN que, pelo contrário, viu a sua posição de liderança reforçada em todos os aspectos do negócio. O nosso número de novos clientes cresceu ao longo do ano mais do que em 1998 (+4%), quando havia apenas dois operadores em presença no mercado (689 003 novos clientes em 1999 face a 663 970 em 1998)”. O proveito de serviço médio mensal por cliente (ARPU) atingiu, no ano que findou, 5 726 escudos, menos 22% do que o verificado em 1998. Esta redução do ARPU ficou a dever-se exclusivamente à redução de preços decorrente do acréscimo de concorrência, dado que o consumo médio mensal em minutos por cartão cresceu cerca de 3%. Este facto demonstra que, num contexto em que a taxa de penetração do móvel em Portugal é das mais elevadas da Europa (cerca de 47% no final de 1999), e com a consequente adesão ao serviço de segmentos de mercado de menor consumo, a TMN conseguiu fidelizar os clientes mais valiosos, bem como cativar novos clientes de elevado consumo, nomeadamente, um conjunto significativo de clientes empresariais, cujo peso na carteira global da TMN aumentou substancialmente. De salientar que é precisamente este o segmento de mercado que apresenta níveis de sofisticação e exigência mais elevados. “Ao optarem pela TMN,” diz Iriarte Esteves “estes clientes sabem que somos efectivamente nós que lhes damos as melhores condições do mercado: a melhor qualidade ao preço mais vantajoso.” O “Cash Cost” médio mensal por cliente (CCPU) decresceu 18%, situando-se nos 3 278 escudos, fruto do elevado padrão de eficiência na gestão da TMN. Para responder eficazmente aos níveis de qualidade e cobertura exigidos pelos clientes, a TMN realizou também, ao longo de 1999, um ambicioso plano de investimentos, no sentido de incorporar na rede as mais avançadas tecnologias disponíveis, sendo esta determinação da TMN evidenciada pelo investimento total realizado pela empresa, que foi de 53,7 milhões de contos. A TMN manteve continuamente uma postura agressiva no mercado móvel, ao mesmo tempo que tirou o máximo proveito possível das oportunidades resultantes da liberalização do sector. Assim, a TMN obteve do ICP licença para a prestação do Serviço Fixo de Telefone, tendo já iniciado a sua comercialização sob a marca TMN 1096, e licença para o estabelecimento e fornecimento de uma Rede Pública de Telecomunicações. Procedeu, também, ao seu registo como ISP (Internet Service Provider), como medida preparatória para a oferta de acesso móvel à Internet e aos seus serviços. Para 2000, Iriarte Esteves afirma estar optimista, já que “as expectativas são muito boas. À semelhança do verificado até aqui, estou certo que a TMN continuará a estabelecer os “standards” do mercado de telecomunicações móveis, quer em diversidade e qualidade da oferta, quer nos preços da prestação de serviços e venda de produtos, continuando a contar, para esse fim, com a eficácia da rede de distribuição de que a empresa dispõe. Conjuntamente com os serviços móveis, também oferecemos aos nossos clientes os serviços telefónicos fixos de acesso indirecto e redes privativas virtuais móveis e mistas (fixo + móvel), complementando, dentro do Grupo PT, as ofertas principais da PT Comunicações e da PT Prime. Brevemente a TMN oferecerá, igualmente, serviços Internet suportadas em GPRS (comunicação de dados por pacotes) e tecnologia WAP (Wireless Aplications Protocol). A oferta de conteúdos e serviços, nomeadamente comércio electrónico móvel, está a ser desenvolvida de modo a disponibilizar aos nossos clientes todas as vantagens da nossa associação com a PT Multimédia e com as restantes empresas PT e outros parceiros estratégicos. Estamos certos que estas vantagens competitivas garantirão à TMN, também no domínio das comunicações de dados e Internet suportadas na nossa rede móvel, um posicionamento de liderança no mercado, e que estes serviços contribuirão, de forma decisiva, para a inversão da tendência dos últimos anos de redução do ARPU dos serviços de voz.” Os resultados apresentados nesta comunicação foram auditados.»