Tráfego cai no fixo

PT continua a perder quota.

A queda deve-se «em boa medida à queda do tráfego de acesso à Internet dial up, motivada pela expansão do acesso à Internet através de ADSL e também à descida do tráfego nacional para números geográficos e para números móveis», explica o Autoridade Nacional das Comunicações.

No ano passado, assistiu-se a um aumento do número de chamadas feitas em acesso indirecto (os operadores usam a rede da PT para oferecer serviços aos seus clientes), adianta a Anacom.

No conjunto do ano, 18,3% dos minutos de voz gerados na rede fixa tiveram origem através de acesso indirecto, mais 4,4 pontos percentuais do que um ano antes.

O aumento do peso do acesso indirecto acaba por se traduzir numa redução de quota do grupo Portugal Telecom, que continua a perder terreno para os novos operadores, explica a Anacom.

Em termos homólogos, a PT perdeu 4,8 pontos para 82% no tráfego total e 3,7 pontos para 77% no tráfego de voz.

Os novos operadores conseguiram aumentar a sua quota no tráfego total para 16,3%, contra 11,5% em 2003.

No tráfego de voz, a quota dos novos operadores subiu para 21,9%, contra 17,6% um ano antes.

No final do ano passado, havia 4,147 milhões de acessos, com a PT a continuar a ter a maioria, com uma quota de 93,2%, o que compara com uma quota de 94,3% em 2003.

No final de 2004, existiam 21 entidades habilitadas para prestar serviço fixo telefónico.