Skip to main content

TV Digital: O futuro da televisão europeia vai ser discutido em Lisboa

A televisão digital vai permitir a multiplicação do número de canais e um novo tipo de relação com o espectador, uma discussão a desenvolver quinta e sexta-feira na Conferência Europeia sobre a Televisão Digital Terrestre.

«Lisboa, 16 Fev (Lisboa) – A televisão digital vai permitir a multiplicação do número de canais e um novo tipo de relação com o espectador, uma discussão a desenvolver quinta e sexta-feira na Conferência Europeia sobre a Televisão Digital Terrestre. A Conferência, que decorrerá em Lisboa, está integrada no programa da Presidência Portuguesa da União Europeia, sendo organizada pelo Instituto de Comunicações de Portugal (ICP) e Instituto de Comunicação Social. A reunião deverá contar com a presença de representantes das diferentes instituições comunitárias, peritos das administrações dos Estados membros, profissionais nacionais e estrangeiros de telecomunicações, operadores de televisão, consumidores e reguladores. A televisão digital terrestre distingue-se da analógica por converter o sinal eléctrico num código binário. Na recepção, o código é interpretado, sendo reconstituídos os micropontos da imagem. As vantagens da televisão digital terrestre são múltiplas: desaparecem as perturbações da imagem (os chamados fantasmas), multiplicam-se o número de programas por canal (na televisão analógica um canal é igual a um programa) e podem surgir novos tipos de serviços. Um tipo de cobertura global e a possibilidade de se estabelecer uma relação de maior interactividade com o telespectador levaram Francisco Rui Cádima, presidente do Observatório da Comunicação, a afirmar à Agência Lusa que é de uma “nova relação do espectador com a televisão” que se trata. “A libertação de espaço no espectro radioeléctrico constitui uma vantagem importante da televisão digital”, sublinhou o director técnico da SIC, Trigo de Sousa, tendo em conta que este era até agora um bem escasso. Para o consumidor final, a introdução da televisão digital vai implicar a compra de um aparelho descodificador (Set Top Box), que poderá custar entre 50 e 100 contos, ou, no futuro, uma televisão digital, uma opção mais dispendiosa, já que actualmente o custo deste aparelho pode atingir os milhares de contos. Embora haja quem compare a transição do analógico para o digital ao aparecimento da televisão a cores, o director técnico da SIC considerou que “vai ser necessário estimular os espectadores para investirem nesta mudança”, o que passa necessariamente por uma gestão criteriosa dos conteúdos. Uma das questões ainda por resolver no campo da televisão digital é a de como se irá processar o período de transição, em que, provavelmente, ambos os sistemas terão de coexistir. “Se os operadores de televisão não forem ressarcidos de alguma forma, a coexistência pode ser complicada porque o aluguer de duas redes implica custos muito elevados”, explicou Trigo de Sousa em declarações à Agência Lusa. De acordo com o presidente do Observatório da Comunicação, é difícil definir quanto poderá durar esse período, que poderá ser estipulado em função da receptividade do público. “Tem de haver um apoio do Estado”, afirmou Francisco Rui Cádima, que salientou o exemplo irlandês em que é o Governo que financia os aparelhos necessários à descodificação. A norma genérica de emissão na Europa já está decidida, o DVB-T (Digital Video Broadcasting for Terrestrial Television), tendo já sido adoptada pela Austrália com a possibilidade de se seguir a América Latina, uma vitória da Europa sobre a norma em vigor nos Estados Unidos. Um dos problemas mais complicados no momento prende-se com o esgotamento do mercado publicitário nacional. “Quando existirem novos programas, estes terão de ser pagos”, explicou o director técnico da SIC. Falta saber quantos consumidores estarão dispostos a pagar, num processo que, em Portugal, deverá ter início ainda em 2000, com o lançamento do concurso público para a exploração da plataforma de televisão digital terrestre. O presidente do ICP, Luís Nazaré, anunciou recentemente que a atribuição das licenças deverá ocorrer em Janeiro de 2001, prevendo- se que as operações se iniciem em 2002, significando um investimento em infra-estruturas da ordem dos 100 milhões de contos.»